Centro Cultural De Belém

Elisabete Matos interpreta as “Quatro Últimas Canções”, de Richard Strauss, no CCB

Além da "Quatro Últimas Canções", o programa do concerto do próximo domingo completa-se com o poema sinfónico "Macbeth" e a Sinfonia N.º 8, de Antonín Dvorák.

Richard Strauss que compôs mais de 200 canções, completou este curto ciclo em 1948, já com 84 anos, e não chegou a assistir à sua estreia

LUSA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A soprano Elisabete Matos interpreta as “Quatro Últimas Canções”, de Richard Strauss, acompanhada pela Orquestra Metropolitana de Lisboa (OML) dirigida pelo maestro Kristjan Järvi, no domingo, no Centro Cultural de Belém (CCB), em Lisboa.

Richard Strauss que compôs mais de 200 canções, completou este curto ciclo em 1948, já com 84 anos, e não chegou a assistir à sua estreia. Nascido em Munique, em 1864, Richard Strauss morreu em setembro do ano seguinte, em Garmisch-Partenkirchen, também na Alemanha.

Três das canções têm poemas de Hermann Hesse (1877-1962), vencedor do Prémio Nobel em 1946, e uma outra de Joseph Von Eichendorff (1788-1857).

Além da “Quatro Últimas Canções”, o programa do concerto, no grande auditório do CCB, completa-se com o poema sinfónico “Macbeth”, que o compositor alemão escreveu em 1880, e a Sinfonia N.º 8, de Antonín Dvorák.

Interpretar as Quatro Últimas Canções que Strauss escreveu e não chegou a ouvir a estreia, é para mim, neste momento maduro da vida, além de um privilégio, uma oportunidade de refletir sobre a infância e a beleza da inocência”, disse a soprano à agência Lusa.

Elisabete Matos iniciou os seus estudos musicais no Conservatório de Música Calouste Gulbenkian, em Braga, tendo-se estreado aos 18 anos, no Coliseu do Porto, no papel de “Frasquita”, na ópera “Cármen”, de Bizet.

A cantora, natural das Caldas das Taipas, no concelho de Guimarães, começou a destacar-se depois de se ter classificado em 2.º lugar no Concurso Internacional de Canto Hans Gabor Belvedere, em Villach, na Áustria, em 1995, e iniciou a sua carreira internacional em 1997, após ter atuado na Ópera de Hamburgo, na Alemanha, em “Don Giovanni”, de Mozart, no papel de Dona Elvira, e em “Falstaff”, de Verdi, no de “Alice Ford”.

Em 2010, Elisabete Matos estreou-se no Metropolitan, em Nova Iorque, protagonizando a ópera “La Faniculla del West”, de Puccini Desde 2012, Elisabete Matos é professora convidada da Escola Siperior de Artes Aplicadas do Instituto Politécnico de Castelo Branco.

Em 2013, aquela que é apontada como a mais internacional soprano portuguesa, celebrou o 25.º aniversário da sua carreira artística com um recital no Teatro Nacional de S. Carlos, em Lisboa e a edição de uma fotobiografia, tendo sido distinguida pelo Governo português com a Medalha de Mérito Cultural.

O maestro Kristjan Järvi, de 46 anos, dirige, no domingo, pela primeira vez, a OML.

Natural de Tallín, emigrou, ainda criança, com a família, para os Estados Unidos, tendo vivido em Nova Iorque, mas em 2015 regressou à capital da Estónia. Kristjan Järvi é o filho mais novo do maestro Neeme Järvi, irmão de Paavo Järvi, titular da Sinfónica da NHK, e da flautista Maarika Järvi.

A imprensa especializada afirma que Kristjan Järvi construiu a sua reputação como “um dos programadores mais perspicazes e inovadores do panorama da música clássica”.

Segundo nota da OML, Kristjan Järvi “desafia a ortodoxia musical, sempre buscando novas ideias e conceitos no trabalho que desenvolve regularmente com três agrupamentos musicais”: o nova-iorquino clássico-hip-hop-jazz Absolute Ensemble, que fundou com Gene Pritsker, a Orquestra Filarmónica do Mar Báltico, que dirige e da qual é diretor artístico, e o ensemble Nordic Pulse, no âmbito da atividade da sua produtora Sunbeam Production.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Livros

O dr. António Sousa Homem & família /premium

Maria João Avillez

Nessa noite, ao apagar a luz, com um cansaço jubiloso, feito de uma curiosidade que galopava à minha frente, surpresa sem nome e raríssimo deleite, olhei distraidamente para o relógio: era madrugada.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)