Rádio Observador

Estados Unidos da América

Estátua “Beijo do Marinheiro” vandalizada com um #MeToo

219

A inscrição sucedeu um dia depois da morte de George Mendonsa, o marinheiro que beijou a enfermeira Greta Friedman. O ato reacende polémica antiga, com críticas e aplausos nas redes sociais.

A estátua do famoso beijo foi vandalizada na segunda-feira, dia 18 de fevereiro

via Twitter

A estátua que foi criada pelo escultor Seward Johnson em homenagem à famosa fotografia de um beijo foi vandalizada na segunda-feira, dia 18 de fevereiro, na cidade de Sarasota, estado da Florida, nos EUA. A inscrição na perna da mulher ocorreu um dia depois da morte de George Mendonsa, o marinheiro português que beijou uma enfermeira, Greta Zimmer Friedman, em Times Square e tornou a imagem de 1945 célebre ao longo destes anos.

Segundo o comunicado da Polícia de Sarasota, a perna esquerda da enfermeira foi pintada de vermelho com as palavras #MeToo. O autor pode nunca vir a ser descoberto, visto que a polícia não consegue localizar os vestígios de spray de graffiti — “nenhuma foi encontrada”, lê-se no comunicado. A investigação, por enquanto, não permite aos policias chegar a nenhuma conclusão, já que, não há testemunhas, nem registo de câmaras de vídeo-vigilância na área.

O gesto foi alvo de comentários e críticas na rede social Twitter, criando incertezas se o beijo do marinheiro à enfermeira de 1945 é um gesto carinhoso ou se é assédio sexual. Será que pertence ao movimento #MeToo? “O ato em si, pode ser vandalismo, mesmo assim o contexto da mensagem é absolutamente verdade. Aquele homem beijou-a sem consentimento. Digo que completa a estátua, na sua verdadeira forma de arte e deve ser comemorada”, escreve, por exemplo, Nico.

A publicação do movimento Daughters of Liberty (“As filhas da liberdade”) discorda: “Não se pede respeito enquanto se mostra um comportamento desrespeitoso. Desfigurar uma estátua e vandalismo é crime. Isso só mostra a capacidade, e até onde as feministas e o movimento #metoo irão para provocar qualquer história. Chamar o herói da Segunda Guerra Mundial como um predador sexual é desrespeitoso e errado”.

Não é a primeira vez que surgem dúvidas sobre este assunto. Em 2005, Greta Zimmer Friedman deu uma entrevista ao Veteran’s History Project, onde relembrava a história afirmando que não tinha sido sua escolha ser beijada e que Mendonsa a “agarrou e beijou”. No entanto, Greta explica que era um dia muito feliz para todos, “porque todos tinham alguém na guerra e voltavam para casa”, e acrescenta que as mulheres estavam felizes, “foi um presente maravilhoso, finalmente acabar com essa guerra”. Greta continua a contar que o beijo foi um ato de comemoração, “foi um graças a Deus, a guerra acabou”

No entanto, as pessoas continuavam a apontar o dedo e a criticar o gesto do marinheiro, que foi descrito como “assédio sexual pelos padrões modernos” por uma escritora no site Crates and Ribbons, recorda o The New York Times. Em 2016, após a morte de Greta, aos 92 anos, o filho da enfermeira, numa entrevista para o jornal The New York Times disse que a sua mãe entendia os argumentos de um possível assédio, mas que “não o via necessariamente dessa forma”.

A polícia estima que os danos causados na estátua são de cerca de mil euros, dado a “grande área que a pintura cobre e aos recursos necessários para repará-la.” No entanto, a tinta já foi retirada da estátua “Unconditional Surrender” (“Entrega Incondicional”), na manhã de terça-feira. Um vídeo publicado no Twitter divulga a equipa da cidade de Sarasota a remover a pintura vermelha.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)