IRS

IRS automático abrange potencial de 3,2 milhões de famílias este ano

Governo está "muito satisfeito" com a evolução da entrega automática do IRS. No ano passado, "usaram a funcionalidade 1,5 milhões", afirmou o o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais.

De acordo com o governante, no primeiro ano em que passou a ser possível a entrega automática das declarações de IRS "aderiram 800 mil [agregados]"

MÁRIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O Governo está “muito satisfeito” com a evolução da entrega automática do IRS, que este ano abrange um potencial de 3,2 milhões de agregados, afirmou esta quinta-feira o secretário de Estado dos Assuntos Fiscais.

“Este ano o potencial de agregados que pode beneficiar de IRS automático anda à volta dos 3,2 milhões. O ano passado usaram a funcionalidade 1,5 milhões, veremos este ano”, afirmou António Mendonça Mendes em declarações à agência Lusa à margem de uma conferência organizada no Porto pela EY para debate das principais novidades e tendências na área fiscal para 2019.

De acordo com o governante, no primeiro ano em que passou a ser possível a entrega automática das declarações de IRS “aderiram 800 mil [agregados], no segundo ano 1,5 milhões e há agora um potencial de mais de três milhões”.

“É um percurso que está a ser feito e que nós fazemos com muita tranquilidade. Estamos muito satisfeitos com os resultados e vamos acompanhando”, afirmou, salientando que “as pessoas vão ganhando confiança”, sendo que algumas “não submetem o IRS automático porque têm uma alteração, por exemplo, do agregado ou das despesas”.

Relativamente ao prazo médio de reembolso do IRS previsto para este ano, Mendonça Mendes disse apenas que o acerto será feito “tão depressa quanto seja possível”, relevando que “o importante” é que se atingiu “um ponto em que a forma como a campanha de IRS decorre é muito satisfatória”.

“O ano passado assim foi e pretendemos manter os padrões de qualidade”, sustentou.

Questionado pela Lusa sobre o motivo porque, entre os vários milhões de contribuintes que pagam impostos como o Imposto Municipal sobre Imóveis (IMI), Imposto Único de Circulação (IUC), Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Singulares (IRS) e Imposto sobre o Rendimento de Pessoas Coletivas (IRC), apenas 29 mil terem aderido ao débito direto, o secretário de Estado disse que a adesão a esta funcionalidade “é todo um caminho que está a ser feito”.

“Todos os dias há novas pessoas a aderir”, afirmou, avançando que medidas como a prevista alteração do pagamento do IVA, “em que o prazo de entrega da declaração deixa de coincidir com o prazo de pagamento, mas há um diferimento de cinco dias, vai permitir que quem pague IVA possa também aderir ao débito direto”.

Na sua intervenção na conferência da EY, António Mendonça Mendes salientou que “a opção” do Governo no Orçamento do Estado (OE) para 2019 foi “pela estabilidade na vertente da previsibilidade das normas, para que todos possam saber com o que contam a médio prazo”, a par da “diminuição do esforço fiscal”.

“O OE de 2019 confirma tudo aquilo que temos vindo a fazer ao longo da legislatura, nomeadamente em matéria fiscal. A nossa aposta do ponto de vista da distribuição do esforço fiscal foi uma aposta muito concentrada na diminuição dos impostos sobre as famílias, mas também uma aposta em setores importantes da economia para os ajudar a criar mais emprego”, disse.

Como exemplo, apontou alteração da taxa do IVA na restauração, “que permitiu criar milhares de postos de trabalho”, e a alteração da taxa do IVA no setor da cultura, com a reposição da taxa reduzida.

Mendonça Mendes apontou ainda como “apostas claras” do Governo a “simplificação do sistema fiscal” e o “combate sem tréguas à fraude e evasão fiscal” e recordou o trabalho em curso de revisão de todos os benefícios fiscais, que “terminará ainda este trimestre”.

Conforme salientou, o objetivo não é “acabar com os benefícios fiscais para arrecadar mais receita”, mas avaliar se estes instrumentos de política fiscal são “eficientes” e cumprem “a funcionalidade extrafiscal que lhes está atribuída”, ou se “há outros instrumentos de política fiscal que possam ter um efeito mais eficaz do ponto de vista das políticas públicas”.

“O pior que pode haver no sistema fiscal é muitos benefícios fiscais e complexidade no acesso e no conhecimento desses mesmos benefícios, porque deles só vão aproveitar aqueles que têm maior capacidade de acesso à informação e maior capacidade de contratar profissionais. O sistema de benefícios fiscais não pode funcionar como um sistema que crie novas desigualdades, tem que ser um sistema eficiente e que esteja efetivamente ao serviço daquilo que é a sua necessidade, que são justificações de caráter extrafiscal”, afirmou.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)