Crédito

Maiores bancos desfizeram-se de pelo menos 5.719 milhões de euros em crédito malparado em 2018

O Novo Banco, o Montepio, a CGD, o Santander Totta, o BCP e o BPI aceleraram a venda de crédito malparado em 2018. Os bancos alienam carteiras de crédito malparado para melhorarem os seus balanços.

O crédito malparado é em Portugal mais do triplo da média da União Europeia

ANTONIO COTRIM/LUSA

Os seis maiores bancos que operam em Portugal aceleraram a venda de crédito malparado em 2018, tendo vendido pelo menos 5.719 milhões de euros deste tipo de empréstimos, segundo contas feitas pela agência Lusa.

Os bancos alienam carteiras de crédito malparado para melhorarem os seus balanços e também cumprirem as exigências de reguladores e supervisores bancários, que consideram que estes ativos ‘tóxicos’ são a principal fragilidade do sistema bancário português.

Apesar de o Novo Banco ainda não ter apresentado os resultados de 2018 (o que acontecerá a 1 de março), no final do ano o banco informou o mercado que vendeu a fundos de investimento uma significativa carteira de crédito de 102 mil contratos no valor de 2.150 milhões de euros.

O Banco Montepio também não apresentou contas mas também divulgou, no final de 2018, que vendeu 10 mil contratos no valor de 239 milhões de euros a uma empresa da Irlanda.

Quanto aos bancos que já apresentaram contas, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) alienou o ano passado 1.200 milhões de euros em crédito malparado e o Santander Totta vendeu 1.000 milhões de euros de empréstimos ao imobiliário, em grande parte do ex-Banco Popular.

Já o BCP divulgou esta quinta-feira que alienou uma carteira de crédito de 730 milhões de euros e o BPI vendeu em novembro 400 milhões de euros.

No ano passado vários bancos aceleram a venda de malparado, com a alienação de grandes carteiras de crédito em incumprimento e com reduzida possibilidade de serem pagos pelos devedores. O objetivo destas operações (conhecidas por ‘write-offs’) é retirar estes ativos problemáticos de balanço, melhorando-o, mas também cumprir uma exigência dos reguladores e supervisores bancários.

Contudo, esta medida pode ter um impacto negativo nos resultados caso haja necessidade de suprir a diferença a que os créditos estão registados no balanço e o valor a que são vendidos.

O presidente do Novo Banco, António Ramalho, disse em janeiro que a venda de crédito superior a 2.000 milhões de euros teve “um prejuízo inferior a 6%”.

Já o administrador financeiro do Santander Totta Manuel Preto disse, em conferência de imprensa no início do mês, que as vendas de malparado tiveram um “impacto na conta de resultados praticamente nulo”, considerando que isso mostra que esses créditos estavam bem provisionados nas contas da instituição detida pelo grupo espanhol Santader.

O presidente executivo do BCP, Miguel Maya, disse esta quinta-feira que os 730 milhões de euros de malparado alienado significaram uma menos-valia de 49,4 milhões de euros.

Quanto ao BPI, com a venda de 400 milhões de euros lucrou 17 milhões de euros.

Em janeiro, a agência de ‘rating’ Moody’s considerou que os bancos portugueses estão a limpar os seus balanços com maior velocidade e que a tendência se manterá em 2019, mas alertou que, apesar de o volume de ‘NPL -non-performing loans’ (expressão em inglês para crédito malparado) estar a descer, “ainda continua a ser um constrangimento importante nos perfis de crédito da maioria dos bancos”.

Já a semana passada, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento (OCDE) defendeu no Relatório Económico sobre Portugal (Economic Survey da OCDE — Portugal 2019) que as autoridades públicas deveriam ter “um papel mais ativo” a ajudar os bancos a ‘limpar’ os seus balanços do crédito malparado, pois ainda é elevado apesar de alguns progressos feitos.

Contudo, admitiu que as regras da União Europeia sobre ajudas de Estado criam muitas barreiras a esse tipo de medidas.

O crédito malparado é em Portugal mais do triplo da média da União Europeia. Em meados de 2018 o malparado nos bancos portugueses equivalia a 12% do total do crédito concedido.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

O fim do dinheiro como o conhecemos? /premium

Paulo Raposo

Os pagamentos em numerário saíram mais caros aos comerciantes que os pagamentos com cartão de débito, facto que destrói o mito urbano dos “pagamentos com cartão só acima dos 5 euros” que ainda se vê.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)