Rádio Observador

Crédito

Maiores bancos desfizeram-se de pelo menos 5.719 milhões de euros em crédito malparado em 2018

O Novo Banco, o Montepio, a CGD, o Santander Totta, o BCP e o BPI aceleraram a venda de crédito malparado em 2018. Os bancos alienam carteiras de crédito malparado para melhorarem os seus balanços.

O crédito malparado é em Portugal mais do triplo da média da União Europeia

ANTONIO COTRIM/LUSA

Os seis maiores bancos que operam em Portugal aceleraram a venda de crédito malparado em 2018, tendo vendido pelo menos 5.719 milhões de euros deste tipo de empréstimos, segundo contas feitas pela agência Lusa.

Os bancos alienam carteiras de crédito malparado para melhorarem os seus balanços e também cumprirem as exigências de reguladores e supervisores bancários, que consideram que estes ativos ‘tóxicos’ são a principal fragilidade do sistema bancário português.

Apesar de o Novo Banco ainda não ter apresentado os resultados de 2018 (o que acontecerá a 1 de março), no final do ano o banco informou o mercado que vendeu a fundos de investimento uma significativa carteira de crédito de 102 mil contratos no valor de 2.150 milhões de euros.

O Banco Montepio também não apresentou contas mas também divulgou, no final de 2018, que vendeu 10 mil contratos no valor de 239 milhões de euros a uma empresa da Irlanda.

Quanto aos bancos que já apresentaram contas, a Caixa Geral de Depósitos (CGD) alienou o ano passado 1.200 milhões de euros em crédito malparado e o Santander Totta vendeu 1.000 milhões de euros de empréstimos ao imobiliário, em grande parte do ex-Banco Popular.

Já o BCP divulgou esta quinta-feira que alienou uma carteira de crédito de 730 milhões de euros e o BPI vendeu em novembro 400 milhões de euros.

No ano passado vários bancos aceleram a venda de malparado, com a alienação de grandes carteiras de crédito em incumprimento e com reduzida possibilidade de serem pagos pelos devedores. O objetivo destas operações (conhecidas por ‘write-offs’) é retirar estes ativos problemáticos de balanço, melhorando-o, mas também cumprir uma exigência dos reguladores e supervisores bancários.

Contudo, esta medida pode ter um impacto negativo nos resultados caso haja necessidade de suprir a diferença a que os créditos estão registados no balanço e o valor a que são vendidos.

O presidente do Novo Banco, António Ramalho, disse em janeiro que a venda de crédito superior a 2.000 milhões de euros teve “um prejuízo inferior a 6%”.

Já o administrador financeiro do Santander Totta Manuel Preto disse, em conferência de imprensa no início do mês, que as vendas de malparado tiveram um “impacto na conta de resultados praticamente nulo”, considerando que isso mostra que esses créditos estavam bem provisionados nas contas da instituição detida pelo grupo espanhol Santader.

O presidente executivo do BCP, Miguel Maya, disse esta quinta-feira que os 730 milhões de euros de malparado alienado significaram uma menos-valia de 49,4 milhões de euros.

Quanto ao BPI, com a venda de 400 milhões de euros lucrou 17 milhões de euros.

Em janeiro, a agência de ‘rating’ Moody’s considerou que os bancos portugueses estão a limpar os seus balanços com maior velocidade e que a tendência se manterá em 2019, mas alertou que, apesar de o volume de ‘NPL -non-performing loans’ (expressão em inglês para crédito malparado) estar a descer, “ainda continua a ser um constrangimento importante nos perfis de crédito da maioria dos bancos”.

Já a semana passada, a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento (OCDE) defendeu no Relatório Económico sobre Portugal (Economic Survey da OCDE — Portugal 2019) que as autoridades públicas deveriam ter “um papel mais ativo” a ajudar os bancos a ‘limpar’ os seus balanços do crédito malparado, pois ainda é elevado apesar de alguns progressos feitos.

Contudo, admitiu que as regras da União Europeia sobre ajudas de Estado criam muitas barreiras a esse tipo de medidas.

O crédito malparado é em Portugal mais do triplo da média da União Europeia. Em meados de 2018 o malparado nos bancos portugueses equivalia a 12% do total do crédito concedido.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Filosofia Política

A doença mental chamada Amazónia

Gabriel Mithá Ribeiro

Resta decretar o estado de emergência climática que, na prática, se traduz no combate ao capitalismo em nome do socialismo, mas na condição daquele disponibilizar muitos mil milhões de dólares a este.

Trabalho

Ficção coletiva, diz Nadim /premium

Laurinda Alves

Começar reuniões a horas e aprender a dizer mais coisas em menos minutos é uma estratégia que permite inverter a tendência atual para ficarmos mais tempo do que é preciso no local de trabalho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)