Angola

Angola. Processos contra Isabel dos Santos e José dos Santos vão avançar

240

Trata-se de um inquérito criado pela Procuradoria-Geral da República para apurar denúncias de uma transferência de cerca de 33 milhões de euros, supostamente orientada por Isabel dos Santos.

MANUEL ARAÚJO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O inquérito à empresária angolana Isabel dos Santos vai seguir nas próximas semanas para a Direção Nacional de Investigação e Ação Penal (DNIAP), enquanto o processo de José Filomeno dos Santos vai avançar para tribunal, disse esta sexta-feira fonte oficial.

As informações foram avançadas numa entrevista da diretora nacional de Prevenção e Combate à Corrupção (DNPCC) de Angola, Inocência Pinto, à agência noticiosa angolana Angop , em que fala dos casos mais mediáticos que estão a correr na Justiça, sem, contudo, adiantar quaisquer informações sobre os casos ligados a Manuel Vicente, ex-vice-Presidente do país, e ao Banco Espírito Santo Angola (BESA).

Segundo Inocência Pinto, em relação à Isabel dos Santos que, tal como José Filomeno dos Santos, é filha do ex-Presidente José Eduardo dos Santos, o inquérito preliminar já está concluído, devendo ser remetido ao DNIAP nas próximas semanas para “a competente instrução preparatória do processo-crime”.

Trata-se de um inquérito instaurado pela Procuradoria-Geral da República (PGR), no dia 2 de março de 2018, para apurar denúncias de uma transferência de mais de 38 milhões de dólares (cerca de 33 milhões de euros), supostamente orientada por Isabel dos Santos, depois de exonerada da gestão do Conselho de Administração da petrolífera estatal Sonangol.

Dias depois da denúncia, Isabel dos Santos negou as acusações e considerou-as “infundadas”, afirmando-se confortável com o inquérito aberto pela PGR. A empresária, segundo a responsável da DNPCC, respondeu às convocatórias da PGR por via do seu advogado, dando conta que teve contacto com a notificação.

Inocência Pinto explicou que Isabel dos Santos devia ser ouvida em dezembro último, mas não compareceu por estar ausente do país. A garantia da comparência havia sido dada pelo advogado da empresária, segundo o qual a sua constituinte viria ao país para cumprir com a diligência processual, o que não se verificou.

Por não se ter efetivado o regresso da empresária, na altura devida, Inocência Pinto informou que a mesma voltará a ser chamada, brevemente.

Em relação a José Filomeno dos Santos, conhecido localmente por “Zenu”, Inocência Pinto indicou que a PGR vai, dentro do prazo de dez dias, enviar para tribunal o processo-crime contra o antigo presidente do Fundo Soberano de Angola (FSDEA), e respetivo sócio Jean-Claude Bastos de Morais, uma ação relacionada com a gestão de ativos.

Na entrevista à Angop, a magistrada informou estar praticamente concluída a fase de instrução do processo contra os dois arguidos, que se encontram presos preventivamente, em Luanda.

“Não tarda, creio. Estará já na fase judicial o processo que visa o cidadão Jean-Claude e o cidadão José Filomeno dos Santos. A acusação já está praticamente concluída e espera apenas de ser introduzida em juízo dentro dos próximos dez dias”, afirmou.

O ex-presidente do conselho de administração do FSDEA é acusado das práticas de associação criminosa, tráfico de influência e branqueamento de capitais, crimes alegadamente praticados enquanto gestor máximo do fundo, constituído em 2012.

É ainda acusado de recebimento indevido de vantagem, corrupção e participação económica em negócios, punível ao abrigo da Lei sobre Criminalização de Infrações Subjacentes ao Branqueamento de Capitais, além dos crimes de peculato e burla por defraudação.

Além deste processo, referente a atos de gestão do Fundo Soberano de Angola, José Filomeno dos Santos e o seu sócio são acusados de outro crime referente à burla de 500 milhões de dólares (435 milhões de euros).

Em causa está a autorização de uma transferência nesse valor de Angola para o Reino Unido, como parte da criação de um avultado fundo de investimento estratégico para o país, na ordem dos 30 mil milhões de dólares (26 mil milhões de euros).

Ainda entre os casos mais mediáticos, Inocência Pinto mencionou os processos contra o antigo ministro dos Transportes Augusto Tomás, contra os deputados Higino Carneiro e Manuel Rabelais, e contra o ex-secretário para os assuntos económicos do Presidente da República, Sebastião Panzo, que estão todos em fase de investigação.

Em relação a Sebastião Panzo, a magistrada do DNPCC indicou que o processo está em instrução preparatória, após ter terminado a fase de inquérito no ano passado, sublinhando que já foi remetido à DNIAP, para posterior tramitação.

Carlos Panzo foi exonerado das funções de secretário para os Assuntos Económicos do Presidente da República em outubro de 2017. Na altura, a PGR abriu inquérito para apurar uma denúncia sobre factos penalmente puníveis, nos termos do direito internacional, contra o ex-assessor presidencial.

Sobre Augusto Tomás, a diretora do DNPCC adiantou já ter sido deduzida acusação contra o antigo ministro dos Transportes, também preso preventivamente.

A Augusto Tomás foi decretada a medida de coação de prisão preventiva, por indícios de crimes de branqueamento de capitais, peculato e corrupção na gestão do Conselho Nacional de Carregadores (CNC).

O tribunal também decretou prisão preventiva para Rui Manuel Moita, ex-diretor geral adjunto para área técnica do CNC.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
António Costa

O desnorte do 1.º ministro /premium

Manuel Villaverde Cabral

Tão inquietante ou mais ainda, o líder do PS e os seus parceiros parecem continuar convencidos que o alegado problema do euro é a Alemanha não querer partilhar os seus ganhos com os outros países

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)