Karl Lagerfeld foi recordado na passada quinta-feira, dia em que a Fendi, marca italiana da qual era diretor criativo desde 1965, apresentou a sua coleção outono-inverno 2019/20, na Semana da Moda de Milão, a última desenhada pelo designer alemão. Foi o mais longo e prolongado trabalho do criador, que morreu aos 85 anos, na passada terça-feira. A edição britânica da revista Vogue situa a chegada de Lagerfeld à casa italiana: “[…] quatro anos antes do primeiro homem aterrar na lua. Cinco anos antes dos Beatles de separarem. Dezasseis anos antes do príncipe Carlos casar com Diana. Dezanove anos antes de Steve Jobs inventar o primeiro computador Macintosh”.

A manequim Gigi Hadid no final do desfile © MIGUEL MEDINA/AFP/Getty Images

Depois de 54 anos de direção criativa, uma vida, a tarefa cabe a Silvia Venturini Fendi, neta de Adele e Edoardo, casal que, em 1925, fundou, em Roma, uma casa especializada em peles. Agora a solo, Silvia assume as rédeas da Fendi. “A ligação entre Karl Lagerfeld e a Fendi é a mais longa história de amor da moda e continuará a tocar as nossas vidas nos próximos anos. Estou profundamente triste pela sua partida e tocada com o seu cuidado e perseverança constantes até ao último momento. Quando falámos, apenas alguns dias antes do desfile, os seus únicos pensamentos eram sobre a riqueza e a beleza da coleção. É um verdadeiro testamento do seu caráter. Sentiremos a falta dele”, palavras de Silvia Venturini Fendi, que puderam ser lidas em pequenos cartões dispostos sobre os assentos da sala do desfile.

Grandes colarinhos, laços XL ao pescoço, silhuetas de alfaiataria, casacos escorreitos e rabos-de-cavalo — os traços identitários de Lagerfeld estiveram presentes, do princípio ao fim do desfile. Afinal, Karl não marcou apenas a Chanel. Durante as décadas em que trabalhou para a Fendi, desenvolveu o logótipo “FF” (inicialmente, como sigla de fun fur, “pelo divertido” em português) e, em 1997, criou a mala Baguette, um eterno clássico. Só em 1983 é que Lagerfeld assumiria a direção criativa da casa marca francesa, 18 anos depois de ter chegado à Fendi.

Ativistas dos direitos do animais em protesto, à porta do local do desfile © ANDREAS SOLARO/AFP/Getty Images

Na passerelle de Milão, desfilaram nomes como Gigi e Bella Hadid, Kaia Gerber e Fran Summers. Fora dela, na rua, o passeio encheu-se de membros da Fronte Animalista, uma organização italiana de direitos dos animais, cujos manifestantes empunharam cartazes contra o uso de peles por parte da marca italiana.

Do lado de dentro, o desfile terminou ao som de “Heroes”, de David Bowie, artista várias vezes elogiado por Lagerfeld. Silvia Venturini Fendi percorreu a passerelle emocionada, acompanhada pelas palavras “54 anos juntos”, projetadas sobre o corredor. No final, um vídeo de Karl Lagerfeld, em que lhe é pedido que se desenhe a si próprio, no seu primeiro dia na Fendi. “Bem, isso é pré-histórico. Sabe, nos anos 60, nós não nos detínhamos”, afirmou. As homenagens a Karl Lagerfeld devem voltar com a Semana da Moda de Paris. O desfile da Chanel está marcado para a manhã do dia 5 de março.