GNR

GNR de Coimbra apreende roupa contrafeita em operação “Nó cego”

A GNR apreendeu cerca de 53 mil peças de vestuário contrafeito, no valor estimado de cerca de 1,4 milhões euros e foram constituídos 25 arguidos.

No âmbito da operação "Nó cego", foram realizadas 114 buscas em localidades dos distritos de Castelo Branco, Setúbal, Lisboa, Aveiro, Braga, Viseu e Porto

LUIS FORRA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Uma operação da GNR que durou 18 meses e que terminou na quarta-feira resultou na constituição de 25 arguidos e na apreensão de roupa contrafeita com valor superior a dois milhões de euros, foi anunciado esta sexta-feira.

O valor do vestuário contrafeito apreendido durante a operação ascende a mais de dois milhões de euros, estimando-se uma fraude ao Estado num montante na ordem dos 500 mil euros. No decurso da investigação, tinham sido já apreendidas 52.900 peças de vestuário contrafeito, no valor estimado de cerca de 1,4 milhões euros”, refere uma nota de imprensa da GNR.

A força de segurança esclarece que foram “constituídos 25 arguidos, com idades compreendidas entre os 18 anos e os 63 anos”, e indica que os principais suspeitos estão “indiciados na prática dos ilícitos criminais de associação criminosa, fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais, contrafação e fraude sobre mercadorias”.

“A Unidade de Ação Fiscal, através do Destacamento de Ação Fiscal de Coimbra, nos dias 19 e 20 de fevereiro, no âmbito de uma investigação que decorre há cerca de dezoito meses, dirigida pelo Departamento de Investigação e Ação Penal de Coimbra, desmantelou uma rede organizada que se dedicava ao fabrico e comercialização de artigos contrafeitos, em feiras e mercados ou através das redes sociais e ‘sites’ de venda eletrónica, com ocultação à administração tributária dos proveitos obtidos com a atividade criminosa desenvolvida”, explica ainda aquela organização militar de segurança.

A atividade criminosa desmantelada consistia, de acordo com a GNR, no “fabrico de vestuário e calçado em garagens, anexos de residências e zonas industriais, com utilização fraudulenta e não autorizada de marcas e patentes registadas no Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI), e sem o cumprimento de quaisquer obrigações declarativas em sede dos impostos sobre os rendimentos e do IVA”.

Na operação, estiveram envolvidos 115 militares da Unidade de Ação Fiscal, apoiados por efetivo dos Comandos Territoriais de Viseu, Aveiro e Setúbal e por forças da Polícia de Segurança Pública.

No âmbito da operação “Nó cego”, foram realizadas 114 buscas em localidades dos distritos de Castelo Branco, Setúbal, Lisboa, Aveiro, Braga, Viseu e Porto, das quais 41 a locais de fabrico, armazenagem, distribuição e de intermediação de venda de produtos contrafeitos, 38 a domicílios e 35 a veículos automóveis.

A GNR apreendeu 30 veículos automóveis de gama média-alta e de transporte de mercadorias, mais de um milhão de etiquetas, logótipos e outras matérias-primas utilizadas no fabrico de artigos contrafeitos, 48.900 peças de vestuário e calçado contrafeitos, 73.507 euros em numerário, 418 quadros de estampagem, 290 misonetes (peças de estampagem) , 20 máquinas de costura, 49 telemóveis, 10 peças em ouro (valor aproximado de 6.000 euros), quatro armas de fogo (uma pistola, um taser e duas caçadeiras), um colete balístico, um carregador e 99 munições.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)