Rádio Observador

Benfica

História com saldo positivo, uma má memória e a melhor campanha europeia desde 1998: o Dínamo Zagreb, adversário do Benfica

Dínamo Zagreb é campeão croata, está a fazer a melhor campanha europeia em 20 anos e é o adversário do Benfica. Os encarnados nunca sofreram golos com o Dínamo mas a viagem traz uma má memória.

A festa dos jogadores do Dínamo Zagreb, esta quinta-feira, depois de vencerem o Viktoria Plzen e passarem aos oitavos da Liga Europa

AFP/Getty Images

Entre as 16 equipas que esta sexta-feira foram a sorteio em Nyon, na Suíça, para acertar os jogos dos oitavos de final da Liga Europa, existiam três categorias não oficiais pré-concebidas: os “tubarões”, os brindes e os ditos intermédios. Na primeira, cabiam Arsenal, Chelsea, Inter e Nápoles; na segunda, entravam Rennes, Slavia Praga e Krasnodar; e na terceira estavam equipas como o Sevilha, o Valência e o Villarreal. E o Dínamo Zagreb. A equipa da capital da Croácia, sem ser “tubarão” mas sem ser propriamente pêra doce, será o oponente do Benfica, o único clube português ainda em competição na Liga Europa, nos oitavos de final.

A equipa orientada por Nenad Bjelica, antigo médio internacional pela seleção da Croácia que teve o período áureo da carreira ao serviço do Betis, é a atual campeã croata: voltou a conquistar o Campeonato (e a Taça) na passada temporada, após o Rijeka se ter sagrado campeão em 2016/17, interrompendo assim uma série de onze anos consecutivos em que a Liga croata pertenceu ao Dínamo. Mas se, internamente, a equipa da capital croata cimentou uma hegemonia inegável que lhe garante o estatuto de clube mais conhecido e reconhecido da Croácia, na Europa as coisas não têm corrido tão bem.

Depois de na temporada passada ter caído nos 16 avos de final da Liga Europa, o Dínamo Zagreb alcançou esta quinta-feira a melhor campanha europeia desde 1997/98. Nessa época, há mais de 20 anos, os croatas conseguiram chegar à terceira ronda da antiga Taça UEFA e só caíram com os espanhóis do Atl. Madrid. Daí para cá, o Dínamo nunca mais conseguiu chegar para lá das fases de grupos da Champions ou da Liga Europa (tendo ainda sido eliminado nas rondas de qualificação diversas vezes) e fez história no ano passado, quando conseguiu apurar-se para os 16 avos. Repetiu a façanha esta época e somou pontos ao feito histórico esta quinta-feira, quando virou a derrota sofrida na República Checa, com o Viktoria Plzen, na primeira mão, e venceu por 3-0 em casa, carimbando assim a passagem aos oitavos de final.

O segundo lugar no Campeonato croata na temporada passada garantiu a presença na 2.ª pré eliminatória da Liga dos Campeões, onde o Dínamo ultrapassou o Hapoel, e a vitória perante o Astana colocou a equipa de Bjelica no playoff de acesso à liga milionária, onde acabou por cair frente aos suíços do Young Boys. Na Liga Europa, os croatas venceram o Grupo D (onde também estavam Fenerbahçe, Spartak Trnava e Anderlecht) com 14 pontos e qualificaram-se então para os 16 avos de final. Na Croácia, o Dínamo Zagreb está atualmente na liderança isolada do Campeonato com 54 pontos, mais 14 do que o Osijek, que é segundo.

O mercado de verão de 2018 foi particularmente duro para o Dínamo: a equipa perdeu a referência ofensiva e o melhor marcador da época passada, o argelino Hillal Soudani, para o Nottingham Forest, e ainda cedeu o lateral Borna Sosa ao Estugarda, a promessa Ante Coric à Roma e o central Benkovic ao Leicester (este último garantiu um importante encaixe financeiro de 14 milhões de euros). Para colmatar as saídas, entraram o central Emir Dilaver (ex-Lech Poznan), o médio Mislav Orsic (ex-Ulsan Hyundai) e ainda outro médio, Lovro Majer, que até aqui atuava no Lokomotiva. Esta é também a primeira temporada completa de Nenad Bjelica, já que o treinador só chegou ao clube em maio de 2018 – pouco depois de sair do comando técnico dos polacos do Lech Poznan. Bjelica foi o escolhido para substituir Mario Cvitanović, que colocou o lugar à disposição após duas derrotas consecutivas, e conquistou o Campeonato, a Taça da Croácia e a Taça da Liga apenas semanas depois de chegar ao Dínamo.

A temporada 2017/18, apesar de ter sido o ano da reconquista do título nacional, foi caótica a nível institucional. Em junho de 2018, o antigo diretor executivo e conselheiro do Dínamo, Zdravko Mamic, foi condenado a uma pena de prisão de seis anos e meio por corrupção – numa investigação que envolvia, principalmente, as transferências de Luka Modric e Dejan Lovren para o Tottenham e para o Lyon. No mesmo dia, o clube reagiu via comunicado e disse estar “chocado” como veredito e “acreditar firmemente” que Mamic e os restantes condenados são inocentes. O antigo dirigente, que tinha entretanto emigrado para a Bósnia, não assistiu à sentença final e garantiu que não voltará à Croácia; permanece a viver no país vizinho, em liberdade, e o Governo bósnio já afirmou que não vai extraditar Zdravko Mamic.

Benfica e Dínamo Zagreb não se encontram desde 2004, ano em que ficaram sorteados no mesmo grupo da Taça UEFA. Na altura, os encarnados venceram por 2-0 em casa (com um golo de Sokota à antiga equipa e outro de Simão Sabrosa) e apuraram-se para a fase seguinte no segundo lugar e em igualdade pontual com o Estugarda; o Dínamo, por sua vez, ficou em penúltimo e terminou ali a campanha europeia daquele ano, que seria também a época em que o Sporting acabaria por chegar à final da competição, perdendo o troféu em Alvalade para o CSKA. Antes disso, croatas e portugueses defrontaram-se apenas na primeira ronda da Taça das Taças de 1980/81: depois de um empate sem golos em Zagreb, o Benfica venceu por 2-0 na Luz, com golos de Nené e César, e passou à fase seguinte (só seria eliminado nas meias-finais, pelo Carl Zeiss Jena da Alemanha).

A viagem do Benfica à Croácia traz ainda à memória um momento triste para o clube. Em setembro de 1994, os encarnados deslocaram-se até Split para defrontar o Hadjuk, em jogo a contar para a fase de grupos da Liga dos Campeões. Depois de um empate sem golos durante os 90 minutos, três adeptos encarnados acabaram por morrer num despiste em Espanha. O acidente criou uma ligação entre os dois clubes que se mantém até hoje: em agosto de 2017, durante um jogo com o Desp. Chaves, a claque encarnada exibiu uma enorme tarja onde se lia “Blato zivi vjecno”, Blato viverá eternamente, em português. A mensagem era uma referência a Ivan Mate Blaževic, adepto do Hadjuk Split que tinha sido assassinado dias antes.

A história abona a favor dos encarnados – nunca perderam e nunca sofreram golos com o Dínamo Zagreb – e o sorteio ditou que o Benfica jogue a primeira mão fora, a 7 de março em Zagreb, e a segunda em casa, a 14 de março (assim como aconteceu com o Galatasaray).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)