Rádio Observador

Exploração Espacial

Israel enviou uma nave à Lua e Japão mandou recolher amostras de um asteróide

160

Israel está mais próximo de ser o 4.º a aterrar na Lua: a sonda já partiu e a empresa é privada. Além do feito da sonda israelita Beresheet, a japonesa Hayabusa-2 acaba de aterrar no asteróide Ryugu.

A sonda Beresheet está equipada com instrumentos para medir o campo magnético lunar e recolher dados que permitam compreender melhor a formação da Lua

JUAN IGNACIO RONCORONI/EPA

O ano de 2019 já tinha começado bem no que diz respeito a eventos “espaciais”, mas a noite desta quinta-feira para sexta-feira tornou o ano ainda mais especial: primeiro, porque a sonda israelita Beresheet descolou a caminho da Lua; segundo, porque a sonda Hayabusa-2 aterrou com sucesso no asteróide Ryugu para recolher amostras do corpo rochoso.

Mas vamos por partes. A sonda israelita Beresheet, financiada por fundos privados, partiu esta sexta-feira para o espaço a bordo de um foguetão Falcon 9, da empresa espacial norte-americana SpaceX, colocando Israel mais próximo de ser o quarto país a aterrar na Lua.

À hora prevista (01h45 em Lisboa), o foguetão descolou do Complexo 40 do Cabo Canaveral, na costa central da Florida, EUA, levando o veículo espacial israelita, que pesa apenas 585 quilos e mede aproximadamente 1,5 metros.

Beresheet” (que significa génese em hebreu) está equipada com instrumentos para medir o campo magnético lunar e recolher dados que permitam compreender melhor a formação da Lua e que serão partilhados com a agência espacial norte-americana NASA.

O que mais distingue, contudo, este momento é o facto de ser a primeira vez que uma empresa privada vai à Lua. Até agora, tinham sido apenas as agências espaciais governamentais das três superpotências — os EUA, a antiga URSS e a China — a conseguir aterrar na Lua.

A ideia do projeto israelita surgiu num bar em Telavive, num contexto informal entre três amigos. Kfir Damari e Yonatan Winetraub responderam a um simples comentário no Facebook do seu amigo Yariv Bash, que numa publicação, em 2010, escreveu: “Quem quer ir à Lua?“.

Não levou muito a que combinassem encontrar-se para discutir melhor a ideia e, “à medida que os níveis de álcool no sangue iam aumentando”, o trio de amigos ficava cada vez mais determinado sobre aquilo que queria (e iria) fazer, como conta Winetraub, citado pelo The New York Times.

Foi então que construíram a SpaceIL, uma organização sem fins lucrativos, para realizar o seu sonho. Mais de oito anos depois, o produto desse sonho foi lançado para o espaço sob a forma de uma pequena sonda chamada Beresheet.

O projeto custou cerca de 88 milhões de euros, uma verba financiada sobretudo por fundos privados, incluindo do multimilionário Morris Kahn, e foi iniciado no quadro de uma competição internacional patrocinada pela multinacional Google, que desafiava cientistas e empreendedores a colocarem um veículo robotizado em solo lunar com orçamentos mais baixos.

Junto com a sonda seguiu uma cápsula que contém discos com gravações de desenhos de crianças, canções, símbolos israelitas e textos bíblicos. A missão israelita acontece depois de, em janeiro, a China ter alunado uma sonda que vai estudar, pela primeira vez, o lado oculto da Lua.

A agência espacial japonesa Jaxa confirmou também nesta manhã de sexta-feira que a sonda Hayabusa-2 aterrou com sucesso por volta das 8h30 de sexta-feira (23h30 de quinta-feira em Lisboa) no asteróide Ryugu para recolher amostras do corpo rochoso. Tudo isto cerca de duas horas antes de a sonda israelita Beresheet ter descolado.

Foi um verdadeiro momento de tensão para a equipa que monitorizava os movimentos da nave na sala de controlo da Jaxa, que depressa explodiu em aplausos quando recebeu sinal de que a aterragem tinha sido bem sucedida. Citado pelo britânico The Guardian, Yuichi Tsuda, o diretor do projeto Hayabusa2, afirmou ter sido “uma aterragem ideal nas melhores condições”.

Depois de chegar ao solo do asteróide Ryugu, a sonda conseguiu disparar igualmente com sucesso um projétil sobre o interior do corpo rochoso. Se a missão correr bem, esta será a primeira vez que uma sonda regressa à Terra (previsto para 2020) com amostras de um asteróide.

Foi já em setembro e outubro de 2018 que a sonda Hayabusa-2 largou sobre o mesmo asteróide três pequenos robôs que obtiveram imagens e dados sobre a sua superfície.

Por agora, é aguardar, neste ano em que se comemora o 50.º aniversário da chegada dos Estados Unidos à Lua.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)