Cinema

Lisbon&Sintra Film Festival regressa em novembro com Wim Wenders, Orhan Pamuk e Patti Smith

A 13.ª edição do Lisbon&Sintra Film Festival (Leffest) realiza-se de 15 a 24 de novembro, com a participação do cineasta Wim Wenders, do escritor Orhan Pamuk e da cantora Patti Smith.

FELIPE TRUEBA/EPA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A 13.ª edição do Lisbon&Sintra Film Festival (Leffest) realiza-se de 15 a 24 de novembro, com a participação do cineasta Wim Wenders, do escritor Orhan Pamuk e da cantora Patti Smith, segundo proposta aprovada hoje pela autarquia de Sintra.

Segundo o projeto do Leffest’19, a que a agência Lusa teve acesso, o júri da competição oficial deve ser presidido pelo realizador alemão Wim Wenders (“As Asas do Desejo”), integrando ainda o músico japonês Ryuichi Sakamoto, o escritor turco Orhan Pamuk, a pianista portuguesa Maria João Pires e atriz norte-americana Chloë Sevigny.

A par das antestreias fora de competição, o programa incluirá diversas retrospetivas e homenagens nesta edição, dedicadas aos realizadores Alfonso Cuarón (“Roma”, “Gravidade”), Paul Thomas Anderson (“Linha Fantasma”, “Magnólia”), Christian Petzold (“Em Trânsito”, “Phoenix”) e Rita Azevedo Gomes (“A Portuguesa”, “A Vingança de uma Mulher”).

Na programação paralela à exibição cinematográfica está previsto um concerto do realizador Jim Jarmusch (“Ghost Dog-O Método do Samurai”), com a sua banda SQÜRL, sobre filmes mudos de Man Ray, e a exposição fotográfica “‘Instantes’. Polaroides”, da artista e cantora Patti Smith.

A também escritora norte-americana, além da apresentação de uma curta-metragem que realizou, participará igualmente em sessões de leitura, assim como o Prémio Nobel da Literatura Orhan Pamuk e o ator e realizador italiano Roberto Begnini.

“Europa: Um Sonho Impossível?” será o tema do simpósio internacional do Leffest’19, no habitual espaço para reflexão aberto a personalidades nacionais e internacionais, enquanto o debate “Sintra: Do Mito Romântico de Lord Byron aos Nossos Dias” visa procurar respostas para os desafios que se colocam à vila da periferia de Lisboa, classificada Património Mundial pela UNESCO.

O Lisbon&Sintra Film Festival decorrerá nos dois municípios, nomeadamente no Espaço Nimas, Cinema Medeia Monumental, Fórum Lisboa, Teatro Maria Matos ou Teatro do Bairro, na capital, bem como no Centro Cultural Olga Cadaval, Palácio Nacional de Queluz e Quinta Mont Fleuri, em Sintra.

Na minuta do protocolo entre o município de Sintra e a organizadora do festival, a Leopardo Filmes, do produtor Paulo Branco, aprovada hoje, prevê-se um apoio financeiro de 250 mil euros para a 13.ª edição do Leffest.

O apoio da autarquia de Sintra — de montante semelhante ao que será assumido também pelo município de Lisboa — prevê o pagamento de 175 mil euros no prazo de um mês após a assinatura do protocolo, repartindo a restante verba em três parcelas a pagar entre agosto e dezembro.

Na proposta subscrita pelo presidente da autarquia, Basílio Horta (PS), salienta-se que, nas duas anteriores edições, realizaram-se 90 sessões de cinema, incluindo programação específica para escolas e seniores, e que, com concertos e recitais, se contabilizou um total de 15.588 espetadores, “número que se espera fazer crescer mediante a continuidade do festival” no concelho.

Depois de dez edições realizadas no Estoril e em Lisboa, o Leffest, lançado em 2007, com direção do produtor Paulo Branco, realiza-se pelo terceiro ano consecutivo em Sintra, após a autarquia ter decidido substituir a Câmara de Cascais.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Mais 5 dias inúteis /premium

Alberto Gonçalves

Claro que o ar do tempo começa a tornar-se irrespirável e que uma sociedade fundamentada na desconfiança e na delação não promete um futuro risonho. Claro que me apetecia fazer queixa. Mas a quem?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)