Rádio Observador

Dança

Portugal na comissão do breaking dos Jogos Olímpicos Paris2024

O português Max Oliveira realiza um sonho, afirmando que trabalhou a "vida toda para isto". Integra a comissão olímpica de breaking e garante que a modalidade está a viver "um momento único".

@Paris2024 via Twitter

O breaking, erradamente denominado por breakdance, é um dos desportos convidados dos Jogos Olímpicos Paris2024, e o português Max Oliveira, que integra a comissão organizadora, disse esta sexta-feira à Lusa que a modalidade vive “um momento único”.

Trabalhei a minha vida toda para isto. Nunca imaginei ser possível o breaking estar inserido nos Jogos Olímpicos. É muito bonito. É bom acontecer antes de ser idoso. É bom acontecer enquanto estou vivo”, afirmou Max Oliveira, dos Momentum Crew, por várias vezes campeões mundiais.

Max Oliveira referiu que o primeiro grande problema em mãos e a resolver em sede do Comité Olímpico Internacional (COI) é a própria terminologia da modalidade, já que o mediático e popular termo breakdance não é o correto para se referir à disciplina, apesar de ser o mais conhecido, mas sim breaking.

O breaking, juntamente com a escalada, o surf e o skate, na qualidade de desportos convidados, vão juntar-se às 28 modalidades já previstas no programa dos Jogos Olímpicos Paris2024, mas vão ter ainda de ser validados pelo Comité Olímpico Internacional (COI), em dezembro de 2020.

Nesse sentido, foi constituída uma comissão organizadora do breaking para os Jogos Olímpicos Paris2024, da qual faz parte o português Max Oliveira, e que terá a primeira reunião no dia 11 de março, em Praga, na República Checa.

“Nessa reunião vão ser atribuídas tarefas no sentido de desenvolver nos diversos países a criação de federações e associações, para que o breaking tenha a organização como modalidade expectável por parte do COI, para que possa ser inserida nos Jogos Olímpicos de 2024”, explicou Max Oliveira.

O objetivo deste trabalho a desenvolver pela comunidade breaking é a criação de uma nova plataforma, a desportiva, a somar às já existentes na modalidade, nomeadamente cultural, já com campeonatos europeus e mundiais, e performativa (mais ligada a aspetos performativos e cénicos).

“O breaking nasceu há poucos mais de 40 anos como algo que é reconhecido como uma subcultura do hip-hop. Dessa subcultura foi extremamente rápido chegar aos Jogos Olímpicos. É uma vitória muito grande. Há desportos que demoram dezenas de anos e outros que nunca lá chegam”, acrescentou.

A fórmula do apuramento para Paris2024 ainda está por definir, mas Portugal, pelos resultados já obtidos, é um país que é já uma referência no breaking e, por isso mesmo, foi convidado para fazer parte da comissão organizadora dos Jogos Olímpicos.

Temos vários campeões mundiais, por várias vezes, e Portugal foi convidado para estar presente nesta comissão olímpica de breaking para Paris2024 devido ao seu percurso. Conquistámos o respeito de toda a comunicada internacional e durante toda a vida sem apoios”, disse Max Oliveira.

A fórmula competitiva do breaking, algo comparável ao formato do ténis, reside nos torneios guest (convidados), que coroam os campeões mundiais, e open (abertos) e no somatório de pontos para um ranking nominal.

“Temos tudo para sermos mais fortes ou melhores do que os outros. Nós não treinamos para o segundo lugar”, disse Max Oliveira, acrescentando que, para quem gosta de breaking, esta “é uma época muito bonita para se estar vivo”.

Veja o vídeo para conhecer o grupo português e campeões mundiais  Momentum Crew. 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)