Tem acesso livre a todos os artigos do Observador por ser nosso assinante.

A ideia foi do multimilionário Richard Branson e o objetivo é angariar 100 milhões de dólares em 60 dias para fazer chegar ajuda humanitária ao ao povo venezuelano, na forma de alimentos e medicamentos. O Venezuela Live Aid decorreu na noite de sexta-feira, na Ponte Internacional Tienditas, na Colômbia, uma das quatro pontes que estabelecem ligação entre os dois países vizinhos. E é exatamente nesse local que estão armazenadas toneladas de alimentos que Juan Guaidó espera fazer chegar ainda este sábado à Venezuela.

O concerto foi cheio de momentos altos e emotivos, mas nenhum terá sido tão forte como quando o auto-proclamado presidente interino da Venezuela apareceu no recinto. A ovação foi de tal forma que Juanes, o colombiano vencedor de vários Grammys, e que se encontrava no palco nesse instante, teve de interromper a sua atuação.

No início do concerto, Richard Branson discursou no palco, e agradeceu a presença de todos. “Este concerto não é apenas uma apresentação musical. É sobre marcar a diferença na vida de milhares de pessoas que estão a sofrer. Temos de acabar com a crise. Bebés e crianças estão a morrer à fome, idosos estão sem os devidos cuidados, muitos de vocês abandonaram as vossas casas para sobreviver. A cada dia, a miséria piora, a inflação está fora do controlo, o país está cada vez mais pobre.”

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Pelo palco em Cúcuta passaram muitos artistas, uns mais esperados do que outros. O espanhol Alejandro Sanz foi um deles, tendo declarado ser um apaixonado da Venezuela.

Cabeça de cartaz do evento foi também Luis Fonsi, o porto-riquenho vencedor do Grammy Latino, em 2009, com “Aquí Estoy Yo”. O seu grande hit “Despacito” foi uma das músicas que se ouviram na localidade colombiana.

Outro momento muito aplaudido pelo público foi o reencontro entre Chyno e Nacho. A antiga dupla pop venezuelana, composta por Jesús Alberto Miranda Pérez (Chyno) e Miguel Ignacio Mendoza Donatti (Nacho), chegou a ganhar em 2010 um Grammy Latino de Melhor Álbum Urbano por Mi Niña Bonita.

Em 2017, anunciaram o fim da banda e seguiram carreiras a solo separadas, depois de muitos rumores sobre os motivos do seu desentendimento.

As emoções também foram fortes quando José Luis Rodríguez, conhecido por El Puma, discursou. “Já basta de ditaduras de esquerda na América Latina”, disse o venezuelano.

https://twitter.com/WorldLatin/status/1099001104992485377

Nas redes sociais foram também aparecendo outros vídeos, mostrando o ambiente que se vivia em Cúcuta.