Rádio Observador

Pesca

Pescadores estão a diminuir e só no Algarve número caiu para metade em 16 anos

Desde 2001, o número de pescadores no algarve já caiu para metade. Os baixos salários, as restrições impostas à pesca e a concorrência levam ao abandono da profissão.

MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

Os baixos salários, as restrições à captura e a concorrência da náutica de recreio estão a fazer baixar o número de pescadores em Portugal, sobretudo no Algarve, região onde, desde 2001, o número caiu para metade.

Segundo Miguel Cardoso, presidente da Olhão Pesca, a pesca é cada vez menos atrativa por ser uma atividade mal remunerada e pouco regular, devido às restrições e diminuição das capturas, aliado a outros fatores, como a concorrência da náutica de recreio e a exigência de um período longo e complexo de formação.

“No Algarve, o turismo e a náutica de recreio têm crescido exponencialmente e há muitos pescadores que se estão a virar para esse ramo de atividade”, disse à Lusa o responsável pela Organização de Produtores de Pescado Algarve, sublinhando que existem já embarcações paradas por falta de tripulação.

De acordo com dados divulgados hoje pela Pordata, existem 17.642 pescadores em Portugal, grupo profissional que tem vindo a diminuir desde 2001 em todas as regiões do país, com o Algarve no topo da lista, região na qual se registou uma redução de 56% de pescadores entre 2001 e 2017.

De acordo com os mesmos dados, verifica-se também uma alteração da concentração geográfica do número pescadores em Portugal: em 2001, era no Algarve e no Norte onde se encontravam grande parte dos pescadores; em 2017, quase metade dos pescadores de Portugal encontram-se nas regiões do Norte e Centro (26% e 23%, respetivamente).

De acordo com Miguel Cardoso, apesar de ser muito acentuada no Algarve, a falta de mão de obra para o setor da pesca é generalizada ao resto do país e no Norte já existem armadores a recorrer a tripulantes estrangeiros, nomeadamente, de nacionalidade indonésia.

Este cenário ainda não se verifica no Algarve, contudo, aquele responsável adianta que existe um número indeterminado de embarcações que não podem operar na região por falta de pescadores, havendo uma “competição” entre os armadores para conseguir recrutar tripulantes.

Atualmente, a cavala é o tipo de peixe mais capturado em Portugal – em 2017 foram capturadas 19 mil toneladas -, tendo ultrapassado a pesca da sardinha a partir de 2012, de acordo com os mesmos dados da Pordata.

Por outro lado, apesar de o polvo corresponder a apenas 5% do total da captura de peixe em 2017, representa a maior receita gerada pelas vendas de peixe em lota em Portugal (14%).

O Algarve continua a liderar a captura do polvo em Portugal, ainda que tenha havido uma diminuição de 39% entre 2002 e 2017. Consequentemente, a receita gerada pela venda do polvo diminuiu em 11% no Algarve.

A base de dados da Pordata Municípios tem, a partir de hoje, novos dados que dão destaque ao setor primário, com a entrada do tema “Agricultura e Pescas”, que dispõe de 26 novos quadros com informação organizada em quatro áreas: pescas, produção vegetal, contas Económicas da agricultura e salários.

O novo tema apresenta dados para todos os municípios e regiões de Portugal, que se iniciam, sempre que possível, entre as décadas de oitenta ou de noventa do sec. XX e se prolongam até à atualidade.

Com este novo tema, a Pordata Municípios passa a contar com 15 temas e quase 800 quadros estatísticos, neste caso, baseados em dados produzidos pelo Instituto Nacional de Estatística (INE) e pela Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos (DGRM).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)