CTT

Catarina Martins diz que os CTT manipulam dados que divulgam e mentem ao regulador

109

A coordenadora do Bloco de Esquerda disse este domingo, em Coimbra, que "a administração dos CTT tem vindo a manipular os dados" que divulga publicamente e a "mentir" ao regulador e às populações.

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A coordenadora do Bloco de Esquerda, Catarina Martins, disse este domingo, em Coimbra, que “a administração dos CTT tem vindo a manipular os dados” que divulga publicamente e a “mentir” ao regulador e às populações.

“A cada dia que passa, a cada mês que passa, a empresa está mais frágil”, afirmou Catarina Martins, sublinhando que os CTT foram construídos “pelo serviço público, pelo investimento público e pelos seus trabalhadores” e, enquanto pertenceu ao setor público, “deu lucros da ordem dos 60 milhões de euros por ano”, estando “presente em todo o território”.

Mas a privatização dos CTT “está a permitir aos acionistas privados vampirizarem a empresa” e, “como diz o próprio regulador — a ANACOM [Autoridade Nacional de Comunicações] — não estão a ser cumpridos os mínimos do serviço público a que a empresa estava obrigada”.

“Mais: sabemos que a administração dos CTT tem vindo a manipular os dados que traz a público e a mentir à população portuguesa e ao regulador”, salientou.

“É uma situação grave que merece atuação”, defendeu a líder do Bloco de Esquerda (BE), que falava aos jornalistas, em Coimbra, depois de ter participado numa reunião com trabalhadores da empresa CTT – Correios de Portugal.

Catarina Martins considerou, por outro lado, “errada” e “digna de registo” a decisão da Assembleia da República, que, na sexta-feira, rejeitou uma proposta do BE para que o Estado retome o controlo público” da empresa.

“Tendo havido autarcas de todos os partidos a contestar a atuação dos CTT e a defenderem a nacionalização da empresa, não deixa de ser um péssimo sinal que, no parlamento, PS, PSD e CDS tenham rejeitado o controlo público” da empresa, sustentou.

Autarcas de “todos os partidos, por todo o país”, têm “contestado a administração dos CTT, que tem fechado sucessivas estações de correio — já lá vão mais de 80” –, desde que a empresa foi privatizada e, “com isso, privado muitos concelhos” da necessária “ligação ao serviço público a que todas as populações devem ter direito”, frisou.

Do encontro deste domingo com trabalhadores dos CTT ficaram “duas certezas”. Uma é que “o serviço de correios é um serviço de futuro, é um serviço público, que representa a presença do Estado em todo o território, é essencial para a coesão social” e que, “independentemente das inovações tecnológicas, vai ser sempre necessário um serviço público que assegure a comunicação em todo o território para todas as gerações”.

A outra certeza saída da reunião é que o BE “reafirma o seu compromisso com os trabalhadores dos CTT e com toda a população portuguesa” de lutar pela “nacionalização dos Correios de Portugal”, assegurou Catarina Martins.

“O projeto [do BE] pode ter sido chumbado agora [na Assembleia da República], mas a questão vai manter-se na atualidade porque as populações continuam a precisar de correios e a administração privada continua a ser incapaz de respeitar o serviço público”, sustentou.

“No momento em que todos os partidos devem dizer ao que vêm, quais são os projetos para o futuro do país”, o BE compromete-se com “os trabalhadores dos CTT e com todas as populações” a não abandonar “o combate pela nacionalização dos CTT”, concluiu a líder bloquista.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)