Se pensa que a possibilidade de os actuais veículos “falarem” com os semáforos, para explorarem da melhor forma o fluxo de tráfego, é algo que apenas veremos num futuro longínquo, está completamente enganado. A Audi já está a disponibilizar o serviço. E funciona.

O construtor alemão recorda que a condução autónoma não é uma novidade, uma vez que já em 2009 fez inúmeras habilidades com um TTS em Bonneville, nas planícies salgadas do Utah, sem que o condutor tivesse de colocar as mãos no volante. A isto seguiram-se recordes em rampas de circuitos, mas para que esta tecnologia avance para as cidades, é necessário que os veículos possam comunicar entre si e com as infra-estruturas, partilhando informações sobre problemas, avarias, obras, buracos, acidentes e, sobretudo, filas.

Uma primeira fase desta tecnologia do futuro já é acessível hoje. Trata-se do sistema Audi Traffic Light Information, que é disponibilizado mediante uma assinatura – uma vez que requer ligação à internet via 3G ou 4G – do Audi Connected Prime, que informa o condutor da situação no próximo semáforo. Em algumas cidades, sendo aqui o limite imposto pelos sistemas dos próprios meios urbanos, a marca alemã tem acesso às informações do estado dos semáforos, o que permite avisar o condutor de quando vai passar a verde ou, caso já esteja vermelho, quantos minutos ou segundos vão decorrer até ficar verde. Isto permite a quem vai ao volante saber o que o espera e, mais do que isso, antecipar a manobra, reduzindo assim o stress.

Mas esta é apenas uma primeira fase. A Audi já antecipa a segunda, em que as infra-estruturas não só fornecem informações aos veículos, como também serão capazes de as receber, o que permite elevar a “conversa” para outro nível. Aquele em que os sistemas de gestão de tráfego vão passar a ter conhecimento das condições de trânsito, número de veículos, velocidade média, tempos de espera, de forma a favorecer as vias com maior tráfego.