Rádio Observador

Califórnia

Craig Coley esteve preso 39 anos por duplo homicídio e era inocente

984

Craig Coley, veterano de guerra agora com 71 anos, foi condenado em 1978 pelos homicídios de uma ex-namorada de 24 anos e do filho de quatro anos. Conseguiu reabrir o processo e provar inocência.

Craig Coley conseguiu em 2013 que o seu processo fosse reaberto

D.R.

Foram 39 anos atrás das grades por dois homicídios que, afinal, não cometeu. Craig Coley, um veterano de guerra que geria um restaurante na California, Estados Unidos, e que tem agora 71 anos, foi condenado em 1978 pelos homicídios de uma ex-namorada de 24 anos e do filho de quatro, mas nunca se conformou com a sentença. Quase 40 anos depois conseguiu sair em liberdade e vai receber uma indemnização de 21 milhões de dólares, ou seja, de cerca de 18,48 milhões de euros.

O crime aconteceu numa madrugada de novembro. Rhonda Wicht, de 24 anos, terá sido violada e depois enforcada com uma corda. O filho foi sufocado na própria cama. Na altura as autoridades concluíram que Craig Coley apresentava ferimentos no corpo e, mesmo, no pénis. E que em casa teria uma t’shirt de uma criança e uma toalha com sangue. Juntou-se o depoimento de um vizinha que garantia ter ouvido uma discussão no apartamento da vítima e que depois o viu pegar na sua carrinha e abandonar o local.

Em 2013, Coley conseguiu que o seu caso fosse reaberto. A polícia da cidade de Simi Valley conseguiu encontrar, nos arredores de Los Angeles, algumas das provas que achavam destruídas. O laboratório público onde tinham sido analisadas as amostras biológicas foi comprado por privados que não destruíram as provas do crime, como determinara o tribunal. Novamente analisadas, foi afastando por completo que houvesse vestígios de ADN de Craig Coley nas duas vítimas. Na mulher havia vestígios de sémen e de saliva, mas o perfil não correspondia ao do homem que há mais de trinta anos cumpria pena de cadeia por duplo homicídio. A polícia também visitou o local do crime e percebeu que o testemunho da vizinha que garantia tê-lo visto não poderia ser validado, porque daquele local não havia visibilidade para isso.

Na altura da acusação, os procuradores pediam mesmo que fosse condenado a uma pena de morte. Esse julgamento acabaria anulado e repetido e o então suspeito acabaria condenado a uma pena de prisão perpétua. No processo agora movido contra a própria cidade de Simi Valley, Craig Coley acabaria por sair igualmente vencedor e ver-lhe fixada uma indemnização ainda mais elevada. Este sábado, como noticiaram vários órgãos de informação, entre eles o The Telegraph e a CNN, foi anunciado o resultado desse processo federal e o pagamento de 21 milhões de dólares. Este valor junta-se aos 2 milhões de dólares que já tinha recebido quando foi libertado em 2017 e aos valores que conseguiu de algumas seguradoras, pelo tempo todo que passou na cadeia injustamente.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)