Óscares

Na noite de Alfonso Cuarón e da Netflix, o último a rir foi “Green Book”

473

O filme sobre a amizade improvável entre um pianista afro-americano e um segurança italiano ganhou o Óscar de "Melhor Filme". Foi a única surpresa numa noite em que "Roma" e o streaming venceram.

  1. Crónica. Os Óscares do Presidente Marcelo
  2. A vitória dos “invisíveis” e “as cicatrizes de uma nação”. A política que passou pelos Óscares
  3. Quem é Alfonso Cuarón e o que filmou ele em “Roma”?
  4. Olivia Colman, a favorita das favoritas, a atriz das rainhas
  5. Rami Malek. O robot encarnou um ícone e conquistou um Óscar
  6. Os Queen, uma Lady (Gaga) e as atuações que deram música a uns Óscares de pouco baile
  7. As 11 coisas em que (provavelmente) não reparou na noite de Óscares
  8. Óscares: o diamante de 30 milhões, a bola de espelhos e o exército rosa. Quem brilhou mais na passadeira vermelha
  9. De Audrey Hepburn para Lady Gaga: o diamante de 30 milhões que abrilhantou os Óscares
  10. Óscares: “Green Book” é o Melhor Filme, Alfonso Cuarón o Melhor Realizador — como aconteceu

Estava tudo a correr mais ou menos como previsto, até que Julia Roberts abriu o envelope vermelho e anunciou que o grande vencedor era “Green Book”. O filme sobre a amizade improvável entre um pianista de jazz afro-americano e um antigo segurança de origem italiana não constava da lista de eventuais vencedores, mas foi precisamente esta longa-metragem com Vigo Mortensen e Mahershala Ali nos papéis principais que acabou por levar para casa o Óscar de Melhor Filme. Durante o seu curto discurso, o realizador Peter Farrelly lembrou que a história “é sobre amor, sobre amarmo-nos uns aos outros apesar das diferenças”.

A vitória de “Green Book” foi o único momento fora da caixa numa noite sem grandes surpresas ou momentos altos. Depois dos Globos de Ouro, que tanto chocaram críticos e espectadores pelas escolhas inusitadas, os Óscares limitaram-se a repetir os votos de praticamente todos os prémios da indústria cinematográfica atribuídos até agora. Nem o facto de esta cerimónia não ter tido apresentador (a primeira vez em 30 anos) criou alguma instabilidade. Havia quem acreditasse que a Academia de cinema norte-americana acabaria por mudar de ideias e arranjar alguém para o lugar de Kevin Hart (houve até quem avançasse com alguns nomes possíveis), que recusou o convite na sequência da polémica em torno de declarações proferidas por si há alguns anos e consideradas homofóbicas.

A atriz Maya Rudolph, que surgiu em palco no início do evento acompanhada por Tina Fey e Amy Poehler, fez questão de deixar tudo em pratos limpos: “Não haverá apresentador, não haveria uma categoria ‘popular’ e o México não vai pagar pelo muro”. A verdade, é que nem se notou. A cerimónia correu normalmente, com as categorias e respetivos vencedores a serem anunciados, como é costume, por diferentes atores.

A noite de Alfonso Cuarón

“Green Book” pode ter sido considerado o Melhor Filme, mas a noite foi de Alfonso Cuarón. “Roma” era um dos filmes com maior número de nomeações, acabando por arrecadar três estatuetas douradas, incluindo a de Melhor Realizador. O Óscar foi-lhe entregue pelo compatriota Guillermo del Toro, que ganhou no ano passado com “A Forma da Água”. No discurso de agradecimento, Cuarón agradeceu “à Academia por reconhecer um filme que gira em volta de uma mulher indígena”, que representa os vários milhões de trabalhadores que “não têm direitos”, “uma personagem que tem sido renegada na história do cinema”. “O nosso trabalho é olhar para onde os outros não olham. Isto é particularmente importante num tempo em que somos encorajados a olhar para o lado”, afirmou o realizador.

“Roma” venceu também na Fotografia. Cuarón foi o primeiro realizador a vencer nesta categoria. Mas não foi apenas nesta que o realizador mexicano estreante. “Roma” foi considerado o Melhor Filme Estrangeiro, o primeiro do México e o primeiro produzido pela Netflix. Foi também a primeira vez que uma longa-metragem de uma plataforma de streaming foi nomeada para os Óscares, uma indicação de que a Academia de cinema está disposta a abrir as portas a produções menos convencionais.

Olivia Colman foi a melhor atriz e Rami Malek o melhor ator

Olivia Colman ganhou na categoria de Melhor Atriz pelo papel na comédia-drama “A Favorita”, que arrebatou cinco BAFTA. Genuinamente emocionada, a atriz britânica descreveu o momento como “genuinamente stressante e hilariante” e agradeceu à equipa dirigida pelo grego Yorgos Lanthimos e à família. Dirigindo-se diretamente a Glenn Close, que estava nomeada para a mesma categoria, Colman disse: “Tens sido o meu ídolo há tempo tempo, não queria nada que isto fosse assim… Gosto tanto de ti!”.

Rami Malek, que venceu praticamente todos os prémios desta temporada, foi reconhecido como o “Melhor Ator”. No discurso de agradecimento, o ator, que vestiu a pele do icónico vocalista dos Queen, Freddie Mercury, começou por dirigir-se à mãe, presente na plateia, e ao pai. “O meu pai não me viu a fazer isto mas acho que ele está a olhar para mim. Isto é um momento monumental”, afirmou, agradecendo aos Queen, que permitiram que fosse “uma pequena parte” do seu “legado fenomenal” e a toda a equipa de “Bohemian Rhapsody”, que confiou nele. “Não era a escolha óbvia, mas acho que resultou”, admitiu.

Malek recordou também Freddie Mercury. “Aquele miúdo batalhava com a sua identidade e tentava perceber quem era”, afirmou. “Fizémos um filme sobre um gay, imigrante, que viveu a sua vida apologeticamente. O facto de estar aqui, a celebrá-lo, prova que precisamos de mais histórias como estas. Sou filho de imigrantes do Egito, sou a primeira geração de norte-americanos. Parte da minha história está a ser escrita agora e não podia estar mais agradecido. É algo que vou conservar para o resto da minha vida.”

Além do Melhor Filme, “Green Book” venceu mais dois Óscares — Melhor Argumento Original e Melhor Ator Secundário. Este último foi atribuído a Mahershala Ali, que já tinha ganho na mesma categoria nos Globos de Ouro e dos BAFTA. O ator, que interpretou o papel do músico de jazz afro-americano Don Shirley, explicou que tentou “captar a essência” da personagem e fazer uma reflexão “da pessoa que ele foi e da vida que ele viveu”. “Quero agradecer-lhe por isso”, disse Ali, que dedicou o prémio à avó, que esteve sempre a falar ao seu ouvido a “vida inteira” e a dizer que, “se não tivesse logo sucesso, que tentasse outra vez e outra vez”. “Ela esteve sempre a puxar por mim e fazer-me ser positivo. Sei que não estaria aqui sem ela.”

Sem grandes surpresas foi também a atribuição do Óscar de Melhor Atriz Secundária a Regina King pelo papel em “Se Esta Rua Falasse”. Durante o discurso, muito emotivo, King, que ganhou a mesma categoria nos Globos de Ouro, admitiu que era “um bocado surreal” estar ali “a representar um dos maiores artistas do nosso tempo, James Baldwin”, autor do romance que inspirou o filme. “James Baldwin deu à luz este bebé, cuidou dele e deu-lhe tanto amor e apoio. É apropriado estar aqui porque sou um exemplo do que o amor e o apoio fazem”, afirmou a atriz, dirigindo-se depois à mãe, sentada na plateia: “Obrigada”.

Lady Gaga subiu ao palco uma única vez, para agradecer o Óscar de Melhor Canção Original. “Muito obrigada à Academia, a toda a gente nesta sala e aos meus co-autores”, afirmou a cantora, que se estreou como atriz com “Assim Nasce Uma Estrela”, filme realizado por Bradley Cooper. Foi ao ator que Gaga dirigiu os maiores elogios: “Bradley, não haveria ninguém neste planeta que poderia ter cantado isto comigo. Obrigada por teres acreditado em nós”, afirmou. “Isto é trabalho duro. Trabalhei muito durante muito tempo. Não se trata de ganhar. Se tens um sonho, luta por ele. Não interessa quantas vezes és rejeitado, o que interessa é quantas vezes és corajoso e continuas em frente”, disse ainda.

O Óscar de Melhor Documentário foi para “Free Solo”. O filme sobre o alpinista profissional Alex Honnold, que tenta escalar sozinho uma rocha de 900 metros de altura no Yosemite National Park, no estado da Califórnia, ganhou o Globo de Ouro na mesma categoria. Elizabeth Chai Vasarhelyi, uma das realizadoras, dedicou “Free Solo” a “todas as pessoas que acreditam no impossível”. “Homem-Aranha: No Universo Aranha” foi considerado o “Melhor Filme de Animação”.

A lista completa dos vencedores da 91ª cerimónia dos Óscares é a seguinte:

  • Melhor Filme: “Green Book”;
  • Melhor Atriz: Olivia Colman, por “The Favourite” (“A Favorita”);
  • Melhor Ator: Rami Malek, por “Bohemian Rhapsody”;
  • Melhor Atriz Secundária: Regina King, por “If Beale Street Could Talk” (“Se Esta Rua Falasse”);
  • Melhor Ator Secundário: Mahershala Ali, em “Green Book”;
  • Melhor Realizador: Alfonso Cuarón, por “Roma”;
  • Melhor Filme de Animação: “Spider-Man: Into the Spider-Verse” (“Homem-Aranha: No Universo Aranha”), de Bob Persichetti, Peter Ramsey, Rodney Rothman, Phil Lord e Christopher Miller;
  • Melhor Curta de Animação: “Bao”, de Domee Shi e Becky Neiman-Cobb;
  • Melhor Curta-Metragem:Skin”, de Guy Nattiv e Jaime Ray Newman;
  • Melhor Documentário: “Free Solo”, de Elizabeth Chai Vasarhelyi, Jimmy Chin, Evans Hayes e Shannon Dill;
  • Melhor Curta Documental: “Period. End of Sentence”;
  • Melhor Montagem: John Ottman, por “Bohemian Rhapsody”;
  • Melhor Filme Estrangeiro: “Roma” (México);
  • Melhor Fotografia: Alfonso Cuarón, por “Roma”;
  • Melhor Guarda-Roupa: Ruth Carter, por “Black Panther”;
  • Melhor Caracterização: Greg Cannom, Kate Biscoe e Patricia Dehaney, por “Vice”;
  • Melhor Banda Sonora: Ludwig Goransson, para “Black Panther”;
  • Melhor Canção Original: “Shallow” de “A Star Is Born” (“Assim Nasce Uma Estrela”), de Lady Gaga, Mark Ronson, Anthony Rossomando, Andrew Wyatt e Benjamin Rice;
  • Melhor Direção de Arte: Hannah Beachler e Jay Hart, por “Black Panther”;
  • Melhor Edição Sonora: John Warhurst e Nina Harstone, por “Bohemian Rhapsody”;
  • Melhor Mistura de Som: Paul Massey, Tim Cavagin e John Casali, por “Bohemian Rhapsody”;
  • Melhores Efeitos Visuais: Paul Lambert, Ian Hunter, Tristan Myles e J. D. Schwalm, por “First Man”;
  • Melhor Argumento Original: Nick Vallelonga, Brian Currie e Peter Farrelly, para “Green Book”;
  • Melhor Argumento Adaptado: Charlie Wachtel, David Rabinowitz, Kevin Willmott e Spike Lee, para “BlacKkKlansman”.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rcipriano@observador.pt
Cinema

Consumismo cinematográfico

Ana Fernandes

Não estaremos a perder a magia do cinema? E o gosto pelos clássicos que notoriamente influenciaram os filmes que vemos hoje em dia? Estamos a consumir cinema como se de "fast food" se tratasse...

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)