O primeiro-ministro são-tomense iniciou esta segunda-feira uma visita oficial de dois dias a Angola para “dar um novo impulso” à cooperação entre os dois países que “têm conhecido altos e baixos nos últimos tempos”.

“(Angola) é um país amigo com o qual temos relações bastante profundas, históricas, políticas e culturais e vamos precisamente para darmos um novo impulso a essa cooperação que tem conhecido altos e baixos nos últimos tempos e que é necessário reativar”, disse Jorge Bom Jesus aos jornalistas antes de partir para Angola.

Trata-se da primeira deslocação do primeiro-ministro são-tomense para uma visita ao estrangeiro, em que se faz acompanhar dos ministros dos Negócios Estrangeiros, Cooperação e Comunidade, Elsa Pinto, e do Planeamento, Finanças e Economia Azul, Osvaldo Abreu.

O governante são-tomense disse que a reativação das relações de cooperação bilateral com Angola tem “uma perspetiva de desafios mútuos, numa visão partilhada de interesses para o bem-estar e desenvolvimento dos dois países, nações e povos”.

Jorge Bom Jesus lembrou que existem vários domínios de interesse para São Tomé e Luanda, “desde logo o próprio espaço do Golfo da Guiné em que as posições [dos dois países] são estratégicas”.

Os dois países desenvolvem uma cooperação nas áreas económica, militar, diplomática e são esses domínios sobre as quais a delegação são-tomense vai “conversar e estreitar relações e interesses” com as autoridades angolanas.

“Nós não queremos continuar a nutrir com Angola esta relação no sentido único de quem vai pedir, São Tomé e Príncipe tem que olhar para si, para as suas potencialidades e está em condições de poder dar e tem muito para dar”, disse Jorge Bom Jesus.

Energia, transporte aéreo, portos e turismo sãs áreas que o primeiro-ministro considera interessarem particularmente aos dois países. O governo são-tomense vai igualmente conversar com as autoridades de Angola sobre a situação da diáspora são-tomense naquele país, “que é antiga e precisa cada vez mais de integração e de participação”.

Jorge Bom Jesus promete “acarinhar os angolanos e os seus investimentos” no seu país, acreditando que a questão Rosema venha a ser analisada durante esta visita a Angola. Em causa está o controlo da cervejeira Rosema, que opôs em tribunal o empresário angolano Mello Xavier e os irmãos Monteiro, são-tomenses, e que já foi alvo de várias decisões judiciais contraditórias.

Em maio do ano passado, o juiz António Dias emitiu uma sentença numa providência cautelar interposta pela advogada dos irmãos Monteiros, Celiza de Deus Lima, que anulou o efeito do acórdão do Supremo Tribunal de Justiça (STJ) de 21 de abril e restituiu “imediatamente” a fábrica de cerveja à Sociedade Irmãos Monteiro.

Acusado de “contrariar e desobedecer” ao acórdão do STJ que tinha devolvido a cervejeira a Mello Xavier, o Conselho Superior dos Magistrados Judiciais decidiu suspender o juiz das funções no Tribunal de Lembá, norte do país, onde se encontra instalada a Rosema.