Rádio Observador

Coreia do Norte

Kim Jong-un chegou de limusine, Trump de avião. Líderes da Coreia do Norte e dos EUA já estão no Vietname para cimeira de paz

116

O líder norte-coreano partiu no sábado de Pyongyang e fez 4500 quilómetros de comboio para chegar à capital do Vietname. Donald Trump aterrou na tarde de terça-feira após duas paragens técnicas.

Os dois líderes já chegaram a Hanói, no Vietname

Autor
  • Agência Lusa

A limusine blindada do líder norte-coreano, entrou ao início da manhã desta terça-feira em Hanói, após percorrer 170 quilómetros desde a fronteira entre Vietname e China, onde Kim Jong-un,  chegou de comboio depois de fazer 4.500 quilómetros desde Pyongyang. Kim, que partiu no sábado da Coreia do Norte, está na capital vietnamita para uma cimeira, considerada decisiva para a paz na Ásia, com o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que aterrou à tarde.

No início da manhã, envergando um fato maoista, Kim Jong-un foi recebido com passadeira vermelha na estação de comboios de Dong Dang, na fronteira entre a China e o Vietname, por vários quadros de Hanói e tropas vietnamitas em uniformes brancos e botas pretas. O líder norte-coreano entrou depois na limusine preta da Mercedes que o levou até Hanói. As autoridades vietnamitas cortaram o trânsito ao longo da rota de 169 quilómetros desde a fronteira até à capital do país.

Em Hanói, dezenas de jornalistas aguardam em frente ao hotel Meliã Hanoi, um dos mais emblemáticos da cidade, situado na zona antiga, e onde Kim está alojado. Centenas de bandeiras dos três países – Estados Unidos, Coreia do Norte e Vietname -, vasos de flores e um símbolo com um aperto de mão ornamentam desde segunda-feira os candeeiros nas principais ruas de Hanói.

Na manhã desta terça-feira, em frente a um painel com cerca de vinte metros de comprimento e cinco de altura, onde as bandeiras dos EUA e da Coreia do Norte foram compostas por flores, vários vietnamitas aproveitavam para tirar fotografias. Kim deve-se encontrar com os líderes vietnamitas e prestar homenagem no mausoléu de Ho Chi Minh, o monumento onde está o corpo do histórico líder comunista vietnamita. Crianças vestidas com trajes tradicionais coreanos aguardam também por Kim Jong-un no Jardim de Infância da Amizade Vietname-Coreia.

Aquele estabelecimento foi visitado, em 1964, pelo avó de Kim Jong-un e fundador da República Popular Democrática da Coreia (nome oficial da Coreia do Norte), Kim Il Sung, durante uma visita ao Vietname, em 1964. Na quarta-feira, Kim deve deslocar-se à cidade portuária de Haiphong, onde o conglomerado vietnamita Vinfast ergueu uma fábrica de carros e scooters elétricas. Está também prevista uma visita à província de Bac Ninh, onde a gigante sul-coreana de eletrónicos Samsung tem uma fábrica.

Trump chegou de avião na terça-feira

O segundo a chegar a Hanói para a cimeira foi o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que aterrou na capital vietnamita perto das 21h locais (cerca das 14h em Lisboa). O avião Air Force One, aparelho que transporte o chefe de Estado norte-americano, partiu de Washington na tarde de segunda-feira e parou duas vezes — na Inglaterra e no Qatar — para reabastecer, antes de aterrar no Vietname.

O primeiro ponto da agenda comum é um jantar privado entre os dois líderes na quarta-feira. O dia de quinta-feira será passado em discussões com o objetivo de alcançar um acordo para o fim do armamento nuclear na Coreia do Norte.

Este será o segundo encontro pessoal entre Trump e Kim. A primeira vez que os dois líderes estiveram juntos foi em junho do ano passado, em Singapura.

A escolha do Vietname para acolher a cimeira Trump-Kim não surge por acaso: o exemplo vietnamita poderá inspirar Kim Jong-un a abdicar do seu programa nuclear, adotar reformas económicas e construir uma relação de amizade com Washington. “Faz sentido que seja Hanói a acolher a cimeira entre Trump e Kim”, disse à Lusa Tong Zhao, especialista sobre a Coreia do Norte no centro de pesquisa de política global Carnegie-Tsinghua, com sede em Pequim.

“O Vietname tem um passado de grande hostilidade e uma guerra travada contra os EUA, à semelhança da Coreia do Norte, mas passou com sucesso para uma relação muito amigável”, descreve. O analista lembra como Hanói, outrora isolado no xadrez da Guerra Fria, se abriu e integrou a comunidade internacional, gozando hoje de um “enorme potencial” e uma economia “muito robusta”.

Pyongyang sofreu já décadas de isolamento e pobreza extrema, incluindo períodos de fome que causaram milhões de mortos, mas não abdicou de uma economia planificada e poder altamente centralizado, desenvolvendo antes um programa nuclear como garantia de sobrevivência do regime.

Hanói, que há mais de cinquentas anos foi arrasada por bombas norte-americanas, aderiu em meados dos anos 1980 à iniciativa privada, rompendo com a ortodoxia comunista, e é hoje um importante parceiro económico e aliado de Defesa dos EUA, à medida que a China adota uma postura mais assertiva reclamando territórios disputados por pelo Vietname.

O país aderiu também também à Organização Mundial do Comércio e acordos comerciais multilaterais, como o Acordo de Associação Transpacífico (TPP, na sigla em inglês), passando a beneficiar de baixas taxas alfandegárias sobre as suas exportações.

Com um Produto Interno Bruto equivalente a 209 mil milhões de euros – próximo do PIB português – o Vietname está já entre as 50 maiores economias do mundo. Em 2018, a economia vietnamita cresceu 7%, impulsionada por um aumento de dois dígitos na produção industrial.

Mas, num modelo que agradará a Pyongyang, o Partido Comunista do Vietname liberalizou a economia sem garantir direitos civis ou políticos, e mantém um apertado controlo sobre a imprensa, sociedade civil e dissidentes políticos.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)