Elon Musk

Tesla. Regulador da bolsa pede castigo para Elon Musk por quebrar acordo judicial com um tweet

O presidente da produtora de carros elétricos previu no Twitter uma produção de 500 mil carros em 2019. A mensagem quebra um acordo judicial de agosto para limitar uso das redes sociais por Elon Musk.

Elon Musk, fundador do PayPal, da Tesla e da SpaceX, tem uma fortuna avaliada em 19 mil milhões de euros

Mark Brake/Getty Images

O regulador da bolsa dos Estados Unidos (a SEC) diz que o presidente da Tesla está a desrespeitar uma decisão judicial.  Elon Musk tweetou que a empresa de carros elétricos iria produzir 500 mil veículos em 2019, uma informação que influencia os valores de investimento na empresa, e que estava incorreta (sendo corrigida pelo próprio horas depois). Ao enviar a mensagem pública, o investidor americano terá quebrado o acordo estabelecido precisamente com a SEC em outubro de 2018, em que se comprometia a pedir aprovação a um comité da Tesla antes de fazer qualquer publicação nas redes sociais com impacto para o valor em bolsa da empresa, algo que a SEC garante não ter acontecido neste caso. As ações da empresa caíram 4% após o processo judicial se tornar público.

O empreendedor americano terá “novamente publicado informação relevante e falsa sobre a Tesla para 24 milhões de seguidores no Twitter”, afirmou a SEC, citada pela CNN. A Tesla assumiu que o presidente não pedira aprovação prévia do tweet, mas sublinhou que Elon Musk não precisava de o fazer por estar a relatar informação que era pública desde o final de janeiro. O investidor reforçou, novamente no Twitter, que a SEC se “tinha esquecido de ler o Relatório e Contas da Tesla”, gerando uma situação que classificou como “embaraçosa” para o regulador.

O acordo aprovado em outubro, no entanto, estipula que mesmo que a informação já seja conhecida, e Elon Musk a repita exatamente com a mesma linguagem, tem de pedir aprovação à empresa caso a declaração inicial tenha mais de dois dias, o que é o caso. A SEC reforçou que mesmo que o tweet tivesse sido feito dentro do limite de dois dias estaria a infringir o acordo na mesma por avançar informação falsa (mesmo que corrigida de seguida).

Em outubro Elon Musk teve de pagar cerca de 20 milhões de euros ao governo norte-americano para travar acusações de fraude ligadas a um tweet anterior do empresário, em que avançou com a intenção de remover a Tesla da bolsa (e garantiu já ter o financiamento para o fazer), fazendo aumentar o valor das ações da empresa. A informação não se confirmou e Elon Musk teve de deixar a posição de chairman da Tesla, permanecendo CEO. A multa por uma quebra do acordo é de 880 euros por dia até o tribunal considerar que se regressou à legalidade. As consequências para Elon Musk podem ir de multas adicionais à obrigação de se afastar da direção da empresa.

Nascido na África do Sul, Elon Musk é um dos mais conhecidos empreendedores tecnológicos da atualidade. Fez fortuna com o PayPal, o sistema de pagamentos online, e lidera hoje uma empresa de transportes subterrâneos (a Boring Company), a maior empresa privada de exploração aeroespacial (a SpaceX) e a produtora de implantes cerebrais Neuralink, para além da Tesla, dedicada ao fabrico de veículos elétricos. Com 43 anos, o investidor com cidadania canadiana e norte-americana, tem uma fortuna de cerca de 19 mil milhões de euros.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)