Rádio Observador

Estados Unidos da América

Trump diz estar “muito muito perto” de acordo com China

Presidente dos Estados Unidos deu um passo atrás num novo aumento de taxas nas importações da China devido ao avanço das negociações. Cimeira de assinatura de acordo pode estar para breve.

NICOLAS ASFOURI/AFP/Getty Images

“Esperamos ter isto finalizado. Ainda não está, mas estamos muito, muito perto de assinar um acordo”. Foi assim que Donald Trump anunciou aquele que pode ser o ato final de uma história que já dura há mais de três anos, quando os Estados Unidos se viraram contra as políticas comerciais da China, assim que Trump chegou ao poder. Desde aí que, entre taxas e tarifas, se instalou uma guerra comercial entre os dois países, guerra essa que pode estar agora a chegar ao fim. “Teremos uma cimeira para assinar o acordo brevemente”, disse o presidente norte-americano aos governadores estatais americanos. A BBC diz mesmo que o encontro deverá ser realizado já em março no Mar-a-Lago, o resort de Donald Trump, na Florida.

As declarações de Trump sobre um final feliz e rápido quanto a esta “guerra” chegam depois de alguns dias de aumento tensão, em que o presidente dos EUA disse que se preparava para apresentar um novo aumento de taxas sob as importações vindas da China. Porém, e com o avançar das negociações, o líder norte-americano viu potencial para poder adiar o aumento até, no máximo, dia 1 de março: “É com prazer que anuncio que os Estados Unidos fizeram progressos substanciais nas negociações comerciais com a China em temas estruturais. […] Em função disso, vamos adiar o aumento das tarifas, agora agendadas para dia 1 de março”, disse Donald Trump na sua conta de Twitter, como pode ler abaixo.

No final do tweet, o presidente dos Estados Unidos confirmou que as negociações estão bem encaminhadas para que a cimeira de assinatura de um acordo na sua casa na Florida se torne uma realidade. Depois de seis dias de negociações na última semana entre representantes de China e EUA, pode estar à vista o desfecho. Caso isso não aconteça, Trump deverá cumprir com as ameaças de aumento das taxas das importações da China entre 10 a 25 por cento até dia 1 de março. Entre as exigências norte-americanas estão medidas como o fim de subsídios estatais da China para algumas indústrias estratégicas, bem como a garantia de maior proteção da propriedade intelectual e dos segredos comerciais das empresas norte-americanas.

Caso as negociações cheguem a bom porto e se consiga mesmo um acordo entre as duas potências, dois dos maiores riscos económicos e comerciais que o mundo tinha pela frente este ano podem estar perto de resolução positiva, segundo as notícias veículadas esta semana: de um lado os EUA e a China a fugir de uma guerra comercial, do outro o Brexit a poder passar por um novo referendo ou pelo adiamento da decisão da saída do Reino Unido da União Europeia.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Cooperação económica

De braço dado com Angola

José Manuel Silva

O momento político angolano é propício à criação de laços baseados na reciprocidade e na igualdade de tratamento, sem complexos de nenhuma espécie. A história foi o que foi, o presente está em curso.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)