Rádio Observador

Acidentes e Desastres

Pelo menos 25 mortos após fogo e descarrilamento dentro de estação de comboios no Egito

Um comboio descarrilou na principal estação de comboio do Cairo. Fogo, fumo e impacto mataram pelo menos 25 pessoas e feriram outras 47. Uma discussão entre maquinistas é a causa apontada.

O acidente já levou à demissão do ministro dos Transportes, Hirsham Arafat, que resignou ao cargo

AFP/Getty Images

Em excesso de velocidade, um comboio descarrilou já dentro da estação de Ramses, a principal do Cairo, a capital do Egito. O impacto de uma carruagem de combustível gerou uma explosão que rapidamente fez deflagrar um incêndio num edifício próximo, avança a Sky News Arabia. São estimadas, até agora, pelo menos 25 mortes. 47 pessoas terão ficado feridas, muitos dos quais ficaram em estado crítico. Uma discussão entre dois maquinistas esteve na origem do acidente, segundo as autoridades locais citadas pela AP..

As labaredas atingiram as pessoas na plataforma na movimentada estação de Ramsés, no centro do Cairo, e um vídeo de videovigilância mostrou o momento do impacte, quando a locomotiva abalroou homens e mulheres que ali circulavam e as envolveu em chamas e fumo.

Corpos carbonizados ficaram estendidos na plataforma e um homem com o corpo em chamas correu por uma escadaria, em pânico, de acordo com outros vídeos e fotografias publicados nas redes sociais, adiantou a AP.

De acordo com o procurador-geral egípcio, Nabil Sadek, os investigadores concluíram que o condutor da locomotiva tinha abandonado o comboio para discutir com outro maquinista cujo comboio estava a bloquear o seu.  Mas o maquinista saiu da locomotiva sem ativar os travões e o outro comboio começou a fazer marcha-atrás, libertando a locomotiva, que depois ganhou velocidade e embateu na barreira de cimento e metal, explodindo.

O maquinista abandonou o comboio sem tomar qualquer medida para o travar”, disse Sadek.

O procurador-geral mencionou apenas 20 mortes resultantes do acidente, mas as autoridades de saúde referem pelo menos 25, para além das dezenas de feridos. Alguns corpos ficaram irreconhecíveis e foi preciso recorrer a exames de ADN para determinar a sua identidade.

O presidente do Hospital do Cairo, MohammedSaid, avança que o número de mortes deverá aumentar.

Membros das forças de segurança egípcias asseguram o perímetro em torno do comboio. Foto: AFP/Getty Images

De acordo com o Ahram Online a estação esteve a ser evacuada, com todas as entradas fechadas pela polícia. No local estiveram bombeiros a tentar dominar o fogo e ambulâncias a tratar os feridos. Toda a circulação de comboios foi interrompida.

O primeiro-ministro interino do Egito, Mostafa Madbouly, prometeu responsabilizar “os responsáveis pelo descarrilamento em Ramses“. O governo egípcio abriu uma investigação ao desastre. O maquinista que abandonou o comboio está a ser interrogado e Sadek adiantou que as investigações prosseguem.

O acidente mortal levou já à demissão do ministro dos Transportes, Hirsham Arafat, que resignou, segundo um comunicado do Governo egípcio.

O sistema ferroviário egípcio tem um historial de equipamentos com baixa manutenção e má gestão e os números oficiais mostram que em 2017 houve 1.793 acidentes de comboio no país.

O mais mortífero dos acidentes aconteceu em 2002, quando 300 pessoas morreram após irromper um incêndio num comboio de alta velocidade que viajava do Cairo para o sul do Egito.

(Artigo atualizado às 22h27 desta quarta-feira)

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Jesus Cristo

Santos da casa também fazem milagres! /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
152

Todas as casas reais peninsulares descendem do profeta Maomé. Há uns séculos, este parentesco era muito indesejável mas ainda poderá ser de grande utilidade, se a Europa for ocupada pelo Islão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)