Rádio Observador

Professores

Professores. Fenprof acusa Governo de “mentir” e de “tentar manipular opinião pública”

180

A Federação Nacional Dos Professores refere que não recuperar este tempo de serviço "seria uma inaceitável discriminação" e que os sindicatos sempre se mostraram disponíveis a negociar.

O secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira

PAULO NOVAIS/LUSA

A Federação Nacional Dos Professores (Fenprof) acusa o Governo de estar a “mentir sobre as posições negociais” e de “tentar manipular a opinião pública” relativamente ao descongelamento de carreiras, acrescentado que está “disponível para debate público sobre este e outros compromissos”.

Em comunicado divulgado esta quarta-feira, a estrutura sindical reafirma que está em causa a recuperação dos nove anos, quatro meses e dois dias do tempo de serviço. Uma exigência que fica longe do que o Governo está disposto a conceder: dois anos, nove meses e 18 dias do tempo de serviço congelado . Este “braço de ferro” tem causado um impasse nas negociações e o executivo admite aprovar o decreto proposto, caso não chegue a um consenso com os sindicatos.

A Fenprof refere, em comunicado à imprensa, que não recuperar este tempo de serviço “seria uma inaceitável discriminação” e que os sindicatos sempre se mostraram disponíveis para negociar. A Federação afirma inclusivamente que fez várias cedências durante as negociações, nomeadamente não exigindo “o pagamento de retroativos”ou aceitar que a reposição começasse nesta legislatura e que só terminasse em 2023,” último ano da próxima legislatura”, lê-se na nota de imprensa.

Posteriormente, após a aprovação do modelo de recuperação na Madeira, a Fenprof propôs a sua aplicação no continente, ou seja, umarecuperação a concluir em 2025″, refere o comunicado da Federação Nacional Dos Professores.

Apesar destas cedências, a Fendprof alega que o Governo nunca mudou a sua posição. “Foi inflexível, intransigente, agiu com sobranceria e cometeu sucessivas violações da lei“, acusam. Entre as várias acusações, está o facto de o executivo “apagar mais de 6,5 anos de tempo de serviço cumprido pelos professores, só aceitando recuperar 2 anos, 9 meses e 18 dias”.  Segundo a Fenprof, o Governo nunca mostrou interesse em “discutir o prazo e modo de recuperação”.

A Fenprof acusa ainda o executivo de “enganar os professores” , fazendo-os acreditar que a “não aceitação da posição do Governo (eliminação de mais de 6,5 anos de serviço) os prejudicaria”, conclui a nota. De acordo com a Fenprof, caso a proposta do executivo siga em frente, “mais de 43 mil professores (os que progrediram em 2018) seriam, no futuro, ultrapassados por colegas com menos tempo de serviço que apenas tinham progredido em 2019”, esclarece o comunicado.

Enquanto o impasse continua, os dez sindicatos de professores convocaram uma greve nacional para o próximo dia 23 de março. 

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
caderno de apontamentos

Os milagres da Educação /premium

Fernando Egidio Reis

Ouve-se que os professores são tradicionais, do século XIX. É o mesmo que dizer que temos feito tudo mal. Que outra profissão especializada admitiria este tipo de abordagem e de desconsideração?

Politicamente Correto

Os filhos do Vasco Granja /premium

Helena Matos
820

O reitor proibiu a carne de vaca. Os alunos se pudessem proibiam toda a carne. Em Portugal, eles são os filhos e netos do Vasco Granja. Gerações que, entre muita animação, estão a impor uma ditadura.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)