Professores

Professores. Fenprof acusa Governo de “mentir” e de “tentar manipular opinião pública”

180

A Federação Nacional Dos Professores refere que não recuperar este tempo de serviço "seria uma inaceitável discriminação" e que os sindicatos sempre se mostraram disponíveis a negociar.

O secretário-geral da Fenprof, Mário Nogueira

PAULO NOVAIS/LUSA

A Federação Nacional Dos Professores (Fenprof) acusa o Governo de estar a “mentir sobre as posições negociais” e de “tentar manipular a opinião pública” relativamente ao descongelamento de carreiras, acrescentado que está “disponível para debate público sobre este e outros compromissos”.

Em comunicado divulgado esta quarta-feira, a estrutura sindical reafirma que está em causa a recuperação dos nove anos, quatro meses e dois dias do tempo de serviço. Uma exigência que fica longe do que o Governo está disposto a conceder: dois anos, nove meses e 18 dias do tempo de serviço congelado . Este “braço de ferro” tem causado um impasse nas negociações e o executivo admite aprovar o decreto proposto, caso não chegue a um consenso com os sindicatos.

A Fenprof refere, em comunicado à imprensa, que não recuperar este tempo de serviço “seria uma inaceitável discriminação” e que os sindicatos sempre se mostraram disponíveis para negociar. A Federação afirma inclusivamente que fez várias cedências durante as negociações, nomeadamente não exigindo “o pagamento de retroativos”ou aceitar que a reposição começasse nesta legislatura e que só terminasse em 2023,” último ano da próxima legislatura”, lê-se na nota de imprensa.

Posteriormente, após a aprovação do modelo de recuperação na Madeira, a Fenprof propôs a sua aplicação no continente, ou seja, umarecuperação a concluir em 2025″, refere o comunicado da Federação Nacional Dos Professores.

Apesar destas cedências, a Fendprof alega que o Governo nunca mudou a sua posição. “Foi inflexível, intransigente, agiu com sobranceria e cometeu sucessivas violações da lei“, acusam. Entre as várias acusações, está o facto de o executivo “apagar mais de 6,5 anos de tempo de serviço cumprido pelos professores, só aceitando recuperar 2 anos, 9 meses e 18 dias”.  Segundo a Fenprof, o Governo nunca mostrou interesse em “discutir o prazo e modo de recuperação”.

A Fenprof acusa ainda o executivo de “enganar os professores” , fazendo-os acreditar que a “não aceitação da posição do Governo (eliminação de mais de 6,5 anos de serviço) os prejudicaria”, conclui a nota. De acordo com a Fenprof, caso a proposta do executivo siga em frente, “mais de 43 mil professores (os que progrediram em 2018) seriam, no futuro, ultrapassados por colegas com menos tempo de serviço que apenas tinham progredido em 2019”, esclarece o comunicado.

Enquanto o impasse continua, os dez sindicatos de professores convocaram uma greve nacional para o próximo dia 23 de março. 

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Educação

Despedir os professores todos

João Pires da Cruz
910

A minha proposta é despedir os professores todos e entregá-los a Bruxelas. A escolha dos professores e a sua gestão deve ser feita pelas escolas; o pagamento dos seus salários deve vir de Bruxelas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)