Rádio Observador

EMEL

Trabalhadores da EMEL exigem aumentos salariais em frente à Câmara de Lisboa

Cerca de 50 trabalhadores concentraram-se esta quarta-feira junto ao edifício dos Paços do Concelho para reivindicare "mais de nove anos congelados de salários roubados" e o fim da precariedade.

O Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal entrou em negociações com a administração da EMEL em setembro de 2018

RODRIGO ANTUNES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Cerca de 50 trabalhadores da Empresa Municipal de Mobilidade e Estacionamento de Lisboa (EMEL) concentraram-se esta quarta-feira em frente à Câmara, exigindo aumentos salariais e o fim da precariedade.

Os trabalhadores, concentrados junto ao edifício dos Paços do Concelho, exibiram cartazes com mensagens como “mais de nove anos congelados de salários roubados“, “chega de precariedade, exigimos efetividade” e “lucros de milhões, para os trabalhadores nem tostões“.

Numa faixa segurada por alguns dos protestantes lia-se também: “Não nos bloqueiem a vida, aumento dos salários já!“.

Segundo Ana Pires, do Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal (CESP), o sindicato entrou em negociações com a administração da EMEL em setembro de 2018, com base no Acordo de Empresa assinado em julho de 2017, para aumentos salariais, congelados há mais de nove anos.

Nós temos um acordo de empresa, apresentámos uma proposta de revisão salarial, e a empresa escuda-se num argumento de que, enquanto a câmara não definir política salarial, não pode discutir salários connosco”, disse Ana Pires à Lusa, durante a concentração dos trabalhadores da EMEL em frente ao edifício dos Paços do Concelho, onde decorre hoje à tarde a reunião pública de câmara.

“Este argumento é de todo falacioso, porque a Câmara Municipal de Lisboa não define política salarial. Existe um acordo de empresa negociado entre a EMEL e o sindicato representativo dos trabalhadores e o que nós queremos é que a EMEL negoceie e apresente uma proposta e que vá ao encontro das reivindicações dos trabalhadores”, defendeu a dirigente.

A proposta do CESP prevê um aumento do salário de 50 euros para todos os trabalhadores e 650 euros para o salário mínimo da tabela.

Ana Pires defendeu que “é mais do que justo o aumento do salário, e sem qualquer restrição, hoje com a condição financeira que esta empresa tem, que está espelhada naquilo que são os seus resultados, e até nos investimentos avultados que estão previstos para os próximos anos de muitos milhões de euros”.

Presente nesta concentração de trabalhadores da EMEL, o secretário-geral da CGTP-IN, Arménio Carlos, reiterou à Lusa que “não se justifica que, até ao momento, a empresa ainda não tenha” procedido à “atualização anual dos salários destes trabalhadores”, pedindo que a empresa “assuma as suas responsabilidades sociais e promova de imediato a negociação com o sindicato para aumentar os salários dos trabalhadores”.

Não é possível continuarmos a assistir a uma situação em que outros trabalhadores de outras empresas públicas já tenham sido aumentados e estes trabalhadores, também de uma empresa pública, continuem à espera do respetivo aumento”, notou Arménio Carlos.

O secretário-geral da CGTP-IN referiu também que, se a empresa ou o município lisboeta “não responderem a estas reivindicações, os trabalhadores da EMEL não deixarão de refletir e decidir sobre novas formas de luta que venham a tomar”.

“Mas uma coisa é certa, amanhã não acusem os trabalhadores da EMEL de serem os responsáveis pelo conflito. Acusem, nessa altura, se porventura chegarmos à situação de greve, os responsáveis da administração da EMEL por terem levado os trabalhadores a serem forçados a ir para a luta”, concluiu.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)