O Vaticano vai abrir uma investigação às acusações de abuso sexual do cardeal australiano, George Pell — mesmo depois de já ter sido considerado culpado por um tribunal de Melbourne, anunciou o porta-voz do Vaticano, Alessandro Gisotti, citado pela agência Reuters.

O processo pode resultar em sanções, entre as quais a mais grave será a expulsão da Igreja e obrigação de voltar à vida laica, como aconteceu com o ex-cardeal norte-americano Theodore McCarrick, destituído em meados de fevereiro na sequência de acusações de abusos sexuais a menores e jovens.

Depois da condenação em primeira instância do cardeal Pell, a congregação para a doutrina da fé vai agora ocupar-se do caso de acordo com as regras estabelecidas pelo direito canónico”, anunciou o porta-voz do Vaticano, Alessandro Gisotti, em comunicado.

Neste caso, o Vaticano não esperou pela conclusão do processo penal cível para abrir o seu próprio inquérito.

Com 77 anos, o cardeal George Pell, que reclama ser inocente e avançou para recurso, irá passar esta quarta-feira a sua primeira noite na prisão em Melbourne depois do veredicto ter sido emitido em dezembro, mas divulgado apenas na terça-feira.

George Pell foi suspenso e não pode contactar com crianças, confirma o Papa Francisco

O Vaticano reagiu na terça-feira àquilo que considerou uma “nova dor”, assegurando ter um “profundo respeito” pela justiça australiana, mas lembrando que o cardeal Pell se diz inocente e que tem “direito a defender-se até à última instância”.