PSP

Videovigilância avança com 200 câmaras em 16 zonas de Lisboa

784

Das 200 câmaras de videovigilância, dez vão ser instaladas na zona do Cais do Sodré e as restantes serão inseridas na sua maioria na zona da Baixa, Bairro Alto, Santa Catarina e no Parque de Nações.

A Câmara de Lisboa espera lançar o concurso público ainda este semestre

ANDY RAIN/EPA

O diagnóstico da PSP sobre videovigilância pedido pela Câmara de Lisboa concluiu pela instalação de 200 câmaras em 16 zonas, revelou esta quarta-feira o vereador da Segurança, que espera poder lançar o concurso público ainda este semestre.

“Espero que possamos lançar o procedimento tão depressa quanto possível, espero que este semestre”, esclareceu o vereador com o pelouro da Segurança, Miguel Gaspar (PS), na reunião pública do executivo municipal, acrescentando que, de acordo com o parecer da PSP, 10 câmaras deverão ser instaladas na zona do Cais do Sodré.

As 16 zonas da cidade “estão a ser validadas pela PSP”, explicou à Lusa o vereador, esclarecendo que, “grosso modo”, correspondem à área alargada da Baixa, incluindo o Cais do Sodré, Bairro Alto e Santa Catarina, assim como o Parque das Nações.

A questão da segurança na ‘noite’ lisboeta foi levantada pela vereadora do CDS-PP Assunção Cristas, que se referiu aos incidentes no fim de semana passado junto à discoteca Urban, na zona ribeirinha da capital, pedindo esclarecimentos ao executivo socialista sobre a instalação de videovigilância na zona, bem como de iluminação pública.

O vereador Miguel Gaspar respondeu que a videovigilância foi pedida pela Câmara de Lisboa à Direção Nacional da PSP, sublinhando que é um processo que envolve diversos passos, “não aparece de um dia para o outro”.

Após o pedido, a PSP elabora um estudo sobre as necessidades de videovigilância, a Câmara elabora um outro diagnóstico sobre quais os locais concretos para colocação das câmaras, o processo segue depois da polícia para o Ministério da Administração Interna e para a Comissão Nacional de Proteção de Dados, regressando à autarquia para lançamento do concurso.

Miguel Gaspar esclareceu ainda que a doca do espanhol é da jurisdição da Administração do Porto de Lisboa (APL) e que essa zona não foi considerada prioritária pela PSP para colocação de câmaras de videovigilância.

Assunção Cristas reiterou a necessidade de a autarquia intervir junto da APL para que a zona tenha melhor iluminação e cuidados de limpeza.

O CDS tinha uma proposta sobre segurança, que acabou por não ser admitida na ordem de trabalhos de hoje, na qual propunha, entre outras medidas, a criação de uma “unidade especial da Polícia Municipal”, que possa estar presente nas zonas de diversão noturna, “numa lógica de proximidade”, promovendo a “desmobilização de conflitos e rixas”, referiu Assunção Cristas.

O vereador da Segurança respondeu que a criação desta unidade especial da Polícia Municipal “é ilegal”, porque aquela força “não pode assumir este tipo de competências”.

No sábado, três jovens ficaram feridos na cara na sequência de uma desordem envolvendo armas brancas, ocorrida nas imediações da discoteca Urban Beach, em Lisboa, de acordo com informações prestadas pelo Comando Metropolitano de Lisboa (Cometlis) da PSP à Lusa.

O Cometlis acrescentou que os suspeitos se colocaram depois em fuga para parte incerta, estando em curso uma investigação para apurar as circunstâncias dos desacatos.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Três desafios para o 5.7

Alexandre Franco de Sá

Apesar das adversidades políticas, trata-se de despertar a direita acomodada e bocejante contra a hegemonia cultural de uma esquerda que, indisputada no espaço público, dociliza há décadas a sociedade

Deficientes

Adorável compromisso de lideranças /premium

Laurinda Alves

24 homens e mulheres que gerem 24 das maiores empresas que operam em Portugal assinaram um documento em que se comprometem a reforçar nas suas organizações a empregabilidade de pessoas com deficiência

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)