ASAE

ASAE fiscalizou mais de 43 mil operadores económicos e passou mais de 6.500 contra-ordenações em 2018

Dos 43.105 operadores económicos fiscalizados pela ASAE foram instaurados 6.587 processos de contra-ordenação, 1.095 de crime e apreendidos cerca de 12 milhões de euros em material diverso.

No ano passado foram ainda fiscalizados 4.081 alvos de criminalidade online, o que representa cerca de 10% do total dos fiscalizados

MIGUEL A. LOPES/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) fiscalizou um total de 43.105 operadores económicos durante 2018, tendo instaurado 6.587 processos de contra-ordenação, 1.095 de crime e apreendido cerca de 12 milhões de euros em material diverso.

Estes números foram avançados esta quinta-feira num comunicado da ASAE, que refere que no ano passado foram fiscalizados 4.081 alvos de criminalidade online, o que representa cerca de 10% do total dos fiscalizados.

O organismo refere que na última operação internacional sobre criminalidade online, tutelada pela Europol e denominada operação Aphrodite, a ASAE fiscalizou cerca de 60 sites que serviam de plataforma de venda de produtos falsificados e páginas onde se violavam direitos de propriedade intelectual, sendo que mais de metade cessou a sua atividade, “designadamente após a realização de buscas domiciliárias aos titulares”.

A ASAE adianta que o desenvolvimento destas ações operacionais é igualmente direcionado e precedido de monitorização do mercado online (acompanhando a tendência do comércio atual), “não só pelo cumprimento da legislação de contratação à distância (legislação genérica), como recolha de produtos oferecidos através de websites, designadamente géneros alimentícios, para verificação da sua genuinidade, destacando-se produtos como o azeite e o vinho, entre outros”.

No âmbito da fiscalização do mercado digital, destacamos, a título de exemplo, as atividades de investigação online de delitos antieconómicos, direitos de propriedade industrial e de propriedade intelectual, substâncias anabolizantes ou comércio de espécies protegidas, ou até, agora o recente fenómeno do controlo da atividade do alojamento local, com vista à cessação da atividade criminal digital”, acrescenta.

A ASAE adianta que a nível das ações de investigação criminal, a estratégia de atuação têm sido preferencialmente direcionada para a produção e ou distribuição por forma a impossibilitar ou evitar a propagação para a cadeia de valor, direcionadas para o combate à contrafação, em particular, ações em colaboração com entidades europeias congéneres, crimes contra a natureza (como por exemplo a captura de meixão), fraude alimentar, exploração de jogo ilícito, abate clandestino e falsificação de vinhos e azeites, entre outros.

Na área de fiscalização dos deveres preventivos de branqueamento de capitais, na área não-financeira, a ASAE “para além das ações fiscalizadoras que desenvolve há vários anos, tem promovido, face às novas exigências legais recentes, a ações formativas junto das associações representativas dos setores (automóvel, distribuição ou comércio de metais preciosos), tendo em consideração que os operadores económicos têm, eles próprios, uma obrigatoriedade de autoavaliação do risco de exposição ao branqueamento de capitais”.

“A ASAE, nas suas várias áreas de competência, desenvolve a sua atuação operacional assente num planeamento definido e previsional, decorrente da necessidade de aumentar a eficácia repressora e igualmente preventiva”, explica a nota.

A nível internacional, existem mecanismos de cooperação na troca de informações que permitem detetar os circuitos de produção, distribuição e comercialização de produtos ilegais, com o desenvolvimento de operações, quer no setor da distribuição quer na produção, com a Europol e com a Interpol.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)