Instituto Nacional Estatística

INE deve confirmar que economia portuguesa cresceu 2,1% em 2018

Segundo os dados do INE, a evolução resulta do contributo "mais negativo da procura externa líquida" e do contributo "positivo menos intenso da procura interna".

Para 2019, o executivo espera uma expansão da economia de 2,2%

MARIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O Instituto Nacional de Estatística (INE) deve confirmar esta quinta-feira que a economia portuguesa cresceu 2,1% em 2018, menos 0,7 pontos percentuais do que o registado no ano anterior e abaixo da previsão do Governo, de um crescimento de 2,3%.

O INE divulga esta quinta-feira o destaque das Contas Nacionais Trimestrais relativas a 2018, depois de ter revelado, na estimativa rápida publicada no dia 14 de fevereiro, que o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 2,1% no ano passado face a 2017.

Segundo a estimativa rápida do INE, “esta evolução resultou do contributo mais negativo da procura externa líquida, verificando-se uma desaceleração das exportações de bens e serviços mais acentuada que a das importações de bens e serviços, e do contributo positivo menos intenso da procura interna, refletindo o crescimento menos acentuado do Investimento”.

A informação divulgada pelo INE ficou em linha com as estimativas dos analistas contactados pela Lusa, que anteciparam um crescimento da economia de 2,1% em 2018.

Os dados do INE também mostraram que o PIB, em termos homólogos, aumentou 1,7% em volume no quarto trimestre de 2018 (2,1% no trimestre anterior) e, face ao terceiro trimestre, avançou 0,4% (depois da expansão de 0,3% em cadeia no trimestre anterior).

O ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, atribuiu, na altura, à greve dos estivadores o aumento do PIB de 2,1% em 2018, abaixo da meta inscrita no Orçamento, de 2,3%.

É possível que uma parte da explicação esteja no comportamento das exportações no final do ano, devido à greve dos estivadores no Porto de Setúbal, que teve um impacto nos meses de novembro e dezembro” de 2018, afirmou o governante em conferência de imprensa em Lisboa, no dia em que o INE divulgou a estimativa rápida.

O Governo antecipou uma expansão de 2,3% do PIB em 2018, mais otimista do que a previsão da Comissão Europeia, de 2,1%, e da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE) e do Fundo Monetário Internacional (FMI), de 2,2%.

Para 2019, o executivo espera uma expansão da economia de 2,2%.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

Web Summit e provincianismo

Fernando Pinto Santos
100

Porque é a investigação académica tão desconsiderada em Portugal? Talvez porque moldes ou toalhas não sejam tão glamorosos como uma app com um nome estrangeiro numa conferência com o nome de Summit.

Eleições Europeias

Querida Europa...

Inês Pina

Sabemos que nos pedes para votarmos de cinco em cinco anos, nem é muito, mas olha é uma maçada! É sempre no dia em que o primo casa, a viagem está marcada, em que há almoço de família…

Educação

Aprendizagem combinada: o futuro do ensino

Patrick Götz

Só integrando a tecnologia na escola se pode dar resposta às necessidades do futuro, no qual os futuros trabalhadores, mesmo que não trabalhando na indústria tecnológica, terão de possuir conhecimento

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)