Rádio Observador

Internet

“Momo Challenge”: o desafio que apela a comportamentos suicidas está a preocupar a polícia da Irlanda do Norte

549

O desafio circula desde 2018 no WhatsApp. Envia instruções e imagens incentivando os jogadores a magoarem-se a si próprios e, em casos extremos, a cometerem suicídio.

O jogo online encoraja os jovens a magoarem-se, tendo sido já designado como o "desafio suicida"

ITV

Se se lembra do jogo da “Baleia Azul” que invadiu a internet em 2013 levando a mais de 100 casos de mortes espalhados pelo mundo, o “Momo Challenge” tem a mesma lógica: trata-se de um jogo que circula pelos telemóveis desde o verão de 2018, chamando a atenção dos mais jovens, e no qual, através do WhatsApp, estes interagem com uma entidade designada como “Momo”, que envia instruções e imagens incentivando os jogadores a magoarem-se a si próprios e, em casos extremos, a cometerem suicídio. A polícia da Irlanda do Norte reagiu recentemente, avançando com a possibilidade de haver hackers por detrás do jogo a tentar aceder a informações, de acordo com uma notícia da BBC.

Numa publicação partilhada na página de Facebook da PSNI Craigavon, as autoridades irlandesas fazem um aviso público e referem que há um detalhe que está a escapar naquilo que se tem noticiado sobre o assunto, sendo que o foco tem estado nos perigos e casos de vítimas relacionados com o jogo. No entanto, “a grande questão” é o facto de haver uma grande probabilidade de “a aplicação ser controlada por hackers que procuram obter informações pessoais”.

No texto, a polícia salienta que, por mais esquisita que ela pareça, a figura que representa “Momo” não  invade simplesmente os telemóveis das crianças e podendo levar a que estas se suicidem. O grande perigo não está apenas nesta aplicação, mas sim na “pressão que as crianças sentem em seguir as ordens de qualquer aplicação através de ‘desafios’ ou até de outros colegas através de conversas em chats.”

This freaky looking creature is 'Momo', the latest online app character behind headlines like "Suicide game hits UK",…

Posted by PSNI Craigavon on Sunday, February 24, 2019

“Não se concentre apenas na ‘Momo’, mas certifique-se de que sabe o que seu filho tem acesso online. O mais importante é que o seu filho saiba que não deve fornecer informações pessoais a ninguém que ele não conheça”, acrescenta a polícia na publicação.

A Sociedade Nacional para a Prevenção da Crueldade contra Crianças da Irlanda do Norte alerta para o perigo do constante fluxo de aplicações e jogos digitais que, em muitos dos casos, os pais não conseguem acompanhar ou controlar. Nesse sentido, sublinha à BBC a importância de os pais “conversarem regularmente com as crianças sobre essas aplicações e jogos e os riscos a que podem estar expostos”.

No Reino Unido a notícia também tem estado na ordem do dia: de acordo com o jornal Independent, algumas escolas reportaram o facto de programas de desenhos animados conterem partes nas quais aparece a figura “Momo”, como é o caso do “Peppa Pig” (Porquinha Peppa na versão portuguesa), que tem chamado a atenção com um vídeo que tem circulado no Youtube e que começa como se fosse um episódio normal do programa, mas que acaba por se transformar incluindo um trecho de “Momo” com uma linguagem ofensiva e violenta.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)