Emprego

Número de portugueses que chegaram ao Reino Unido é o mais baixo desde 2011

O número de registos atingiu um pico em 2015, quando se inscreveram 32.301 portugueses, mas tem decrescido nos últimos três anos. No último ano, os números caíram para 18.871 portugueses.

No relatório estatístico publicado este mês pelo Observatório da Emigração, os autores referem que o 'Brexit' teve um efeito na redução da atração do Reino Unido para os portugueses

ANDY RAIN/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O número de portugueses que chegou ao Reino Unido para trabalhar caiu para 18.871 em 2018, o mais baixo desde 2011, de acordo com números do Ministério do Trabalho britânico publicados esta quinta-feira.

Este foi o terceiro ano consecutivo em que desceu o número de inscrições de portugueses na Segurança Social britânica, um requisito para trabalhar no Reino Unido.

Depois de anos sucessivos de aumentos significativos, o número de registos atingiu um pico em 2015, quando se inscreveram 32.301 portugueses, quase o dobro dos 16.350 registados em 2011.

Porém, 2016, ano em que 52% dos eleitores britânicos votaram num referendo a favor da saída do Reino Unido da União Europeia (UE), foi também o ponto de viragem no fluxo migratório dos portugueses.

Naquele ano foi registada uma redução de 5% no número de inscrições na Segurança Social britânica, para 30.543; em 2017 a descida foi de 26%, para 22.622, e no ano passado encolheu 17% relativamente ao ano anterior.

No relatório estatístico publicado este mês pelo Observatório da Emigração, os autores referem que o ‘Brexit’ teve um efeito na redução da atração do Reino Unido para os portugueses que procuram trabalho no estrangeiro, apesar de continuar a ser o principal destino da emigração nacional.

Esta aceleração da redução da emigração portuguesa para o Reino Unido parece pois explicar-se sobretudo pelos receios induzidos pelo ‘Brexit'”, refere o documento.

A tendência dos portugueses acompanha a evolução das inscrições de cidadãos da União Europeia para o Reino Unido, que em 2018 caiu 16% para 418.821, contra 497.230 em 2017, com destaque para países como a Roménia, Polónia ou Bulgária.

Coincide também com as estatísticas para imigração publicadas esta quinta-feira pelo instituto britânico Office for National Estatistics (ONS), que conclui que o saldo migratório da UE (diferença entre o número de entradas e de saídas) caiu para níveis de 2009.

Nos 12 meses até setembro de 2018 entraram no Reino Unido 202 mil europeus, mas saíram 145 mil, resultando num saldo migratório positivo de 57 mil, mas o ONS notou que, no conjunto dos países do Leste europeu (Polónia, Hungria, Letónia, Lituânia, Estónia, República Checa, Eslováquia e Eslovénia), há mais nacionais a sair do Reino Unido do que a entrar.

A queda no número de cidadãos da UE que chegam para trabalhar no Reino Unido tem consequências no fluxo de imigrantes que chegam ao Reino Unido para trabalhar, atualmente no seu nível mais baixo desde 2014.

Padrões diferentes para a migração da UE e de fora da UE surgiram desde meados de 2016, quando ocorreu a votação do referendo da UE. Devido ao aumento do número de pessoas que chegam para trabalhar e estudar, o saldo migratório de fora da UE está agora no nível mais alto desde 2004″, admitiu Jay Lindop, diretora do Centro de Migração Internacional do ONS.

Madeleine Sumption, diretora do Observatório das Migrações da Universidade de Oxford, identificou vários fatores para a redução do interesse dos europeus no Reino Unido, como “a incerteza política relacionada ao ‘Brexit’, a queda do valor da libra, tornando os salários do Reino Unido menos atraentes, ou simplesmente o facto de que as oportunidades de emprego terem melhorado noutros países da UE”.

Porém, num comentário publicado na página eletrónica do Observatório, também reconhece que a imigração de europeus para o Reino Unido até 2016, ano do referendo, era “invulgarmente elevadas”, pelo que “pelo menos, parte deste declínio provavelmente teria acontecido de qualquer forma, mesmo sem o ‘Brexit'”.

Brexit. Portugueses com nacionalidade britânica aumentaram 54% em 2018

O número de portugueses que adquiriram a nacionalidade britânica aumentou 54% em 2018, face ao ano anterior, totalizando 1.905 casos, segundo estatísticas divulgadas esta quinta-feira pelo Ministério do Interior britânico.

Desde 2013 que a média do número de naturalizações de portugueses no Reino Unido variava entre as 500 e 600, mas em 2017 disparou para 1.234, um aumento de 84% face às 672 contabilizadas no ano anterior em 2016.

Esta evolução acompanha a dos cidadãos europeus em geral, que também aumentou de forma invulgar desde que 52% dos eleitores britânicos votaram num referendo pela saída do Reino Unido da União Europeu (UE).

O número de europeus que se naturalizaram britânicos passou de 13 mil em 2015 para 17.200 (mais 32%) em 2016, 31.826 em 2017 (mais 85%) e 47.597 em 2018 (mais 50%).

Pelo contrário, o número de portugueses que pediram cartões de residência permanente enquanto cidadãos europeus caiu para 17.272 em 2018, um decréscimo de 42% face aos 29.908 pedidos feitos em 2017.

Este documento é necessário desde 2015 para os europeus pedirem a naturalização britânica, porém, devido ao processo do ‘Brexit’, as autoridades britânicas anunciaram a sua substituição por um novo regime de residência permanente mais simples.

O estatuto de residente permanente (‘settled status’) é atribuído aos cidadãos há cinco anos consecutivos a viver no Reino Unido, enquanto que os que estão há menos de cinco anos no país terão um título provisório (‘pre-settled status’) até completarem o tempo necessário.

O sistema só deverá estar totalmente funcional para os cerca de 3,5 milhões de europeus que vivem no país após o ‘Brexit’, a 29 de março de 2019, mas nas fases experimentais realizadas foram aprovados mais de 100 mil pedidos, de acordo com o governo britânico.

A data limite da candidatura é de 30 de junho de 2021, se o acordo negociado com Bruxelas for ratificado, ou 31 de dezembro de 2020, se a saída acontecer sem acordo.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)