Estado Islâmico

Começou ataque final ao último reduto do Estado Islâmico

O ataque final contra o último reduto do Estado Islâmico na cidade de Al Baguz, na Síria, começou às 18h00 (hora local) desta sexta-feira, anunciou o porta-voz das Forças Democráticas da Síria.

Na quinta-feira, as FDS já tinham anunciado a libertação de 24 dos seus combatentes, que tinham sido detidos pelos 'jihadistas'

MURTAJA LATEEF/EPA

As Forças Democráticas da Síria, aliança liderada por milícias curdas apoiadas por uma coligação internacional, anunciaram esta sexta-feira que lançaram o ataque final contra o último reduto do Estado Islâmico, na cidade de Al Baguz.

Após a retirada de milhares de civis e dos nossos companheiros detidos em Al Baguz, a operação de limpeza do último reduto do Estado Islâmico começou às 18h00 de hoje [sexta-feira, 1 de março] (16h00 em Lisboa)”, escreveu o porta-voz das Forças Democráticas da Síria (FDS), Mustafa Bali, no Twitter.

As FDS — uma aliança militar liderada por milícias curdas e apoiadas por uma coligação internacional liderada pelos EUA — já terão realocado todas as mulheres e crianças que se encontravam em três campos nas províncias vizinhas da zona do ataque agora iniciado contra o movimento jihadista.

Segundo o porta-voz da aliança SDF, Mustafa Bali, liderada por curdos, em declarações à agência Reuters, “não há mais nada em Baghuz, exceto os terroristas”, referindo-se aos militares do Estado Islâmico no território.  Mustafa Bali sublinhou ainda que espera uma “batalha feroz e pesada”.

Baghuz é o último reduto do EI na Síria. Ainda assim, os especialistas entrevistados pela BBC alertam que o grupo continuará a ser uma ameaça para a segurança, enquanto a sua capacidade de atrair seguidores persistir. A cadeia BBC, adianta ainda que nos últimos dias, cerca de 20 mil civis foram levados pelas SDF para um acampamento improvisado para pessoas deslocadas em al-Hol, na província de Hassake. Entre eles estão mulheres e filhos dos combatentes do Estado Islâmico e muitos estrangeiros.

O responsável pelas SDF, não quis adiantar a duração da ofensa, mas esta quinta-feira a SDF afirmou que esperava uma vitória dentro de uma semana.

Desde o início de dezembro, mais de 50 mil pessoas deixaram a zona adjacente ao reduto do Estado Islâmico, segundo o Observatório Sírio para Direitos Humanos.

Na quinta-feira, as FDS já tinham anunciado a libertação de 24 dos seus combatentes, que tinham sido detidos pelos ‘jihadistas’.

“As pessoas que hoje acolhemos disseram-nos que já não há civis no reduto ‘jihadista'”, disse Mustafa Bali à agência France-Presse. “Se, no decurso do nosso ataque, descobrirmos que ainda há civis, vamos isolá-los dos combates, mas avançaremos”, acrescentou o porta-voz das FDS.

Os jihadistas estão agora entrincheirados na periferia oriental da aldeia de Al Baguz, localizada na margem oriental do rio Eufrates, não muito longe da fronteira entre a Síria e o Iraque.

Depois de, em 2014, ter conquistado todo o território da Síria e do Iraque, e de se ter autoproclamado um “califado”, o Estado Islâmico impôs-se na região, até ter começado a ser dizimado, nos últimos dois anos, pela coligação internacional e pelas milícias curdas.

A guerra na Síria iniciou-se em 2015, tendo já feito mais de 360 mil mortos e levando vários milhões de pessoas a sair da Síria.

Em dezembro, o Presidente dos EUA anunciou que iria retirar os cerca de dois mil soldados americanos da Síria, a combater na aliança das FDS, alegando que o combate contra os ‘jihadistas’ estava praticamente terminado e o Estado Islâmico dizimado.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Eleições Espanha 2015

Nem tudo vale na política

Dantas Rodrigues

Oportunismos como o da candidatura de Manuel Valls em Barcelona é que degradam a imagem da política e alimentam a propagação de partidos populistas sejam eles de extrema-direita ou de extrema-esquerda

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)