Rádio Observador

Mota-Engil

Lucros da Mota-Engil disparam para 24 milhões de euros em 2018

O volume de negócios da empresa portuguesa subiu para um recorde de 2.818 milhões de euros no ano passado. A carteira de encomendas — 50% do valor é de África — , bateu outro recorde: 5.465 milhões.

A empresa teve no ano passado uma carteira de encomendas recorde de 5.465 milhões de euros

MARIO CRUZ/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O lucro da Mota-Engil disparou para 24 milhões de euros em 2018, depois de um resultado líquido de dois milhões no ano anterior, segundo os dados comunicados pela empresa à Comissão do Mercados de Valores Mobiliários (CMVM).

De acordo com a informação esta sexta-feira divulgada, o volume de negócios da Mota-Engil subiu 8% para um valor recorde de 2.818 milhões de euros e o resultado antes de impostos, juros, depreciações e amortizações (EBITDA) aumentou para 409 milhões de euros, com uma margem de 15%.

A empresa teve no ano passado uma carteira de encomendas recorde de 5.465 milhões de euros, tendo no final de 2018 um valor equivalente a mais de dois anos de atividade, especialmente em África, onde conta com 50% do valor.

Ao nível do desempenho financeiro, o Grupo Mota-Engil registou um investimento de 287 milhões de euros no total do ano, a maior parte (186 milhões de euros) em África, relacionado com contratos de médio e longo prazo no segmento de Mining. Ainda assim, conseguiu reduzir a dívida líquida face a junho em 49 milhões de euros, atingindo os 953 milhões de euros.

Por regiões, na Europa o volume de negócios atingiu os 856 milhões de euros, um crescimento de 3% da atividade, registando-se uma diminuição da margem de EBITDA.

Com uma carteira de encomendas de cerca de 1.200 milhões de euros na Europa, a Mota-Engil “tem uma perspetiva de evolução positiva do mercado de infraestruturas para os próximos anos em Portugal”, refere a empresa num comunicado enviado à agência Lusa que acompanha o relatório dos resultados de 2018.

Em África, a Mota-Engil cresceu 5% para um volume de negócios de 908 milhões de euros, com “acentuada aceleração” no 2.º semestre do ano. Relativamente ao EBITDA em África, foi de 194 milhões de euros (margem de 22%).

O Grupo Mota-Engil destaca a carteira de encomendas nesta região, que representa quase 2.750 milhões de euros, cerca de 50% do total, “o que permite antever uma evolução futura positiva nesta região, que tem Angola e Moçambique como mercados chave, a par de um conjunto de outros mais recentes e cada vez mais relevantes no contributo para o Grupo”, refere a empresa.

Na América Latina, o Grupo atingiu, pela primeira vez na sua história, um valor de faturação superior a 1.000 milhões de euros (um crescimento de 13%), tendo no segundo semestre uma atividade média mensal próxima dos 100 milhões de euros mensais. Esta região tornou-se, pelo segundo ano, o maior contribuinte para o volume de negócios do Grupo.

Concretizando a tendência de crescimento “muito significativa” na região, o Grupo atingiu um EBITDA de 140 milhões de euros, o que representa uma margem de 13%, “influenciada positivamente por um desempenho positivo dos negócios de Engenharia e Construção, como também do negócio de Energia”, acrescenta a Mota-Engil.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)