Rádio Observador

Eleições Europeias

Macron ultrapassa Marine Le Pen em sondagem para eleições europeias

Macron passa para força mais votada, com 23,5% e a eleição de 24 deputados. A extrema-direita francesa é o segundo partido mais votado, com 19,4% e 19 eurodeputados ao próximo Parlamento Europeu.

CAROLINE BLUMBERG / POOL/EPA

O partido do Presidente francês, Emmanuel Macron, recuperou nas intenções de voto e ultrapassa agora a extrema-direita de Marine Le Pen, revela a segunda projeção para as eleições europeias divulgada pelo Parlamento Europeu.

Na anterior projeção, publicada há duas semanas, a União Nacional (RN) de Le Pen era o partido mais votado em França, com 22% dos votos e a eleição de 21 eurodeputados.

No estudo publicado esta sexta-feira, baseado em quatro sondagens nacionais realizadas entre os dias 19 e 25 de fevereiro, o La République En Marche de Macron passa para força mais votada, com 23,5% e a eleição de 24 deputados. A extrema-direita francesa fica como segundo partido mais votado, com 19,4% e 19 eurodeputados ao próximo Parlamento Europeu (PE).

Com esta alteração, o En Marche entra para o grupo dos cinco partidos europeus com mais eurodeputados eleitos, que há duas semanas era dominado por forças populistas com a única exceção dos conservadores alemães da CDU/CSU.

Nesta nova projeção, a coligação União Democrata-Cristã (CDU) União Social-Cristão (CSU) reforça a posição como partido que mais eurodeputados elege, passando dos 29 para os 34 eleitos, mas saem dos “cinco mais” dois partidos nacionalistas: a RN de Le Pen e o polaco Lei e Justiça (PiS) de Jaroslaw Kaczynski.

Com base em três sondagens realizadas na Polónia entre 17 e 23 de fevereiro, o PiS perde votos, passando de 40% para 36,3% e de 24 para 20 eurodeputados, e é ultrapassado pela Coligação Europeia, recém-formada, que obtém 37,5% das intenções de voto e a projeção da eleição de 21 eurodeputados.

A Coligação Europeia polaca, anunciada no final de fevereiro, integra o principal partido da oposição, a Plataforma Cívica (PO, centro-direita), o Partido Popular da Polónia (PSL, centro-direita), o Nowoczesna (liberal), o Partido Social-Democrata (SLD, centro-esquerda) e os Verdes.

O segundo partido com mais deputados no PE, segundo a projeção, continua a ser a italiana Liga, de Matteo Salvini, que regista 33,3% dos votos e 28 eurodeputados.

O também italiano Movimento 5 Estrelas, de Luigi di Maio, mantém-se igualmente no grupo dos cinco maiores, com 24,3% e 21 eleitos, embora registe uma perda de 1,4 pontos percentuais e um eurodeputado em relação à projeção anterior.

Em termos globais, a projeção da distribuição dos eurodeputados pelos grupos políticos do PE varia muito pouco relativamente à sondagem de há duas semanas. Os resultados apontam para que as duas grandes famílias políticas europeias percam a maioria que há muito detêm no PE.

O Partido Popular Europeu (PPE), que integra os portugueses PSD e CDS-PP, mantém-se como maior grupo político, mas perde mais de 3 pontos percentuais nas intenções de voto, passando para 25,7% e 36 eurodeputados.

Os Socialistas & Democratas (S&D), de que faz parte o PS, perde 5,7 pontos percentuais, registando 19,1% dos votos e 135 eurodeputados.

A Aliança dos Liberais e Democratas pela Europa (ALDE) torna-se a terceira força política com 75 eurodeputados, mais sete do que atualmente e 10,6% das intenções de voto.

O PE lançou no dia 18 de fevereiro a divulgação de uma série de projeções a divulgar quinzenalmente até às eleições europeias entre os dias 23 a 26 de maio.

Oiça as melhores histórias destas eleições europeias no podcast do Observador Eurovisões, publicado de segunda a sexta-feira até ao dia do voto.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina
134

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)