Rádio Observador

Indústria Farmacêutica

Plasma português já está disponível mas tarda a legislação para que hospitais possam usar

Empresa que venceu concurso público já começou a entregar medicamentos feitos com plasma português, mas a poupança pelo Estado ainda não começou – falta adaptar legislação e acertar tabela de preços.

AFP/Getty Images

O Estado já começou a receber os medicamentos feitos a partir de plasma português, mas as poupanças que a redução das importações permitiria trazer ainda não estão a ser aproveitadas nos hospitais porque falta adaptar processos e aprovar legislação, incluindo a tabela de preços para estes produtos. Segundo noticia o Público esta sexta-feira, o Instituto Português do Sangue e da Transplantação (IPST) reconhece que se tem gerado “alguma morosidade” neste processo e a empresa fornecedora — a Octapharma — confirma que “até ao momento” não teve “qualquer indicação por parte do IPST sobre os locais e quantidades para a distribuição dos medicamentos derivados do plasma nacional fracionado”.

Numa primeira fase, a utilização destes medicamentos poderia gerar poupanças de dois milhões de euros, segundo o PúblicoA Octapharma já começou, no final do ano passado, a entregar os medicamentos, que se usam no tratamento de doenças auto-imunes, oncológicas, hemofilia e queimados. Mas os produtos não estão a sair do armazém porque falta publicar em Diário da República a tabela de preços que vai reger as compras por parte dos hospitais. O IPST garante que essa publicação acontecerá “brevemente”, para que os medicamentos possam começar a chegar aos hospitais — são produtos que têm prazos de validade entre 24 e 36 meses.

“Dado tratar-se de algo inovador, que tem arrastado consigo uma logística complexa, houve, naturalmente, que adequar muitos procedimentos a esta nova realidade, o que tem trazido alguma morosidade ao processo”, reconhece o IPST, ao Públicomantendo a intenção de reduzir “significativamente a dependência externa” neste tipo de medicamentos.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberalismo

De onde vem a riqueza?

Telmo Ferreira

A riqueza vem das instituições políticas e económicas que permitem uma sociedade pluralista que consiga aproveitar todos os benefícios da liberdade individual e económica.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)