O Presidente do Sudão, Omar al-Bashir, que governa o país há quase 30 anos, abandonou a liderança do partido no poder, anunciou esta sexta-feira o grupo político.

De acordo com o Partido Congresso Nacional (NCP, na sigla inglesa), Omar al-Bashir delegou os seus poderes de líder do NCP ao seu número dois, Ahmed Harun, até à próxima assembleia-geral do partido, cuja data não está marcada.

Harun, tal como al-Bashir, é procurado pelo Tribunal Penal Internacional por alegados crimes de guerra cometidos durante o conflito de Darfur.

A decisão de al-Bashir surge depois de mais de dois meses de contestação ao chefe de Estado.

A atravessar uma crise económica, o Sudão tem sido palco de vários protestos que subiram de tom em dezembro depois de o Governo ter decidido triplicar o preço do pão.

A contestação a al-Bashir tem sido conduzida pela Associação dos Profissionais Sudaneses, que apela à continuação do movimento de protesto até à queda do regime do Presidente.

Omar al-Bashir, que ocupa o cargo de Presidente desde 1989 na sequência de um golpe de Estado, enfrenta acusações de genocídio e tem sido duramente criticado por um movimento antigovernamental com protestos nas ruas que já causaram pelo menos 57 mortos desde dezembro.