Rádio Observador

Cinema

“Na margem: Uma história do Rock” vence Festival MUVI

153

A longa metragem documental de Rui Berton, João Tempera e Davide Pinheiro arrecadou dois prémios: o do júri das Odisseias musicais e o do público.

CARLOS ALMEIDA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A longa metragem documental “Na margem: Uma história do Rock”, de Rui Berton, João Tempera e Davide Pinheiro, foi a grande vencedora da edição deste ano do MUVI — Festival Internacional de Música no Cinema, foi anunciado este sábado.

Duplo vencedor — do júri das Odisseias musicais e prémio do Público -, o filme de Rui Berton, João Tempera e Davide Pinheiro, premiado no certame a decorrer em Almada, recolhe a história do rock em Almada ao longo de praticamente 60 anos, contada por aqueles que a viveram de guitarra em punho.

Já “Peret, Yo Soy La Rumba”, de Paloma Zapata, um retrato fidedigno da ‘rumba catalã’ contado por membros da família de Peret, autor de “Borriquito” e inventor de um género musical que misturava o ímpeto do rock, o sabor dos ritmos das Caraíbas e o flamenco, venceu o Palco Internacional das Odisseias Musicais — prémio do júri.

“Uma Espécie de Punk”, de Rui Portulez, sobre a história do punk em Portugal, com depoimentos dos UHF, Xutos & Pontapés, Censurados, Peste & Sida, Mata-Ratos ou X-Acto, recebeu uma menção honrosa na mesma categoria.

No plano internacional, o júri premiou, com uma menção honrosa, “Fevereiros”, de Marcio Debellian, que conta a trajetória de Maria Bethânia através da homenagem que a escola de samba Mangueira lhe prestou no Carnaval de 2016.

Sensibilizado com a história verídica, muitas vezes contada na primeira pessoa ou por familiares próximos do cantor de ópera ucraniano a viver em Paris tornado soldado com um desfecho trágico, no documentário “Myth”, de Leonid Kanter e Ivan Yasnity, o público decidiu também atribuir-lhe uma menção honrosa.

Na categoria Sonetos Cantados Palco Internacional, o prémio do público foi atribuído a “More Than a Barbershop”, de Xandru Fernández e Fernando Otero Perandones, uma curta-metragem curta filmada num invulgar cabeleireiro de Dublin, na qual um barbeiro com uma elevada dose de melomania, se transforma num dos principais curadores culturais da cidade.

No Palco Nacional, e na mesma categoria, o vencedor foi “O Stradivarius Português”, de Rafael Abalada Matos, uma produção da Antena 2 sobre o único Stradivarius que existe em Portugal. Datado de 1725, o instrumento musical pertenceu ao compositor e violoncelista belga Pierre Chevillard e, mais tarde, foi adquirido para a coleção do rei D. Luís.

Também aqui os elementos do júri concordaram com a atribuição do prémio do público e elegeram a curta da Antena 2 com a melhor portuguesa em competição.

Apesar da votação renhida, o júri premiou a qualidade musical e criatividade da curta russa e inglesa “Let It Soul”, de Kirill Kulagin, que acompanha a deslocação de Shawn Lee ao estúdio de gravação dos Soul Sufferers.

Nas Canções Com Gente Dentro, a secção de vídeos musicais do MUVI, os vencedores foram “Landslide”, do realizador Eoin Glaister, que proporciona imagem em movimento ao single homónino dos norte-americanos Beirut, no Palco Internacional, e “Singing In The Rain (And I’m On Fire)”, do realizador Rui Geada, que ilustra o single dos almadenses The Manchesters, banda que, no dia 25 de fevereiro, atuou no Cine Incrível, integrado na programação do festival.

O vencedor internacional do público foi para “Landslide” além de ter atribuído uma menção honrosa a “Human”, de Hazel Hayes, com música da britânica Dodie.

No Palco Nacional premiaram “Motorcycle Boy”, de James F. Cotton & Masato Riesser, tema de The Legendary Tigerman, e atribuíram uma menção honrosa a “Frida”, de Cláudia Batalhão, um tema de April Ivy com a colaboração do ex-Buraka Som Sistema Conductor.

“Ainda Tenho Um Sonho ou Dois – A História dos Pop Dell’Arte”, de Nuno Duarte e Nuno Galopim (Odisseias Musicais), “Barreiro Rock City”, de Bruno Martins e Leonor Bettencourt Loureiro (Sonetos Cantados) e “#Demasia”, de Chikolaev (Canções Com Gente Dentro), foram os filmes premiados pela crítica, uma seleção feita pelos ‘bloggers’ e jornalistas presentes no certame.

Com cerca de 100 filmes exibidos em competição e em retrospetivas – entre longas metragens, curtas e vídeos musicais – o MUVI recebeu ainda os concertos do jazz de jazz Andy Sheppard, músico britânico residente na Ericeira e que no passado dia 21 foi agraciado com um doutoramento honoris causa pela Universidade de Bristol, e dos portugueses Joana Barra Vaz, The Manchesters e Harka no emblemático Cine Incrível.

A edição deste ano conta ainda com a exposição “Xutos & Pontapés: 40 anos, 40 fotos”, de Cameraman Metálico.

Com a competição encerrada, hoje à tarde o certame – que termina domingo no Fórum Municipal Romeu Correia – acolhe o Cine Concerto em que Charlie Mancini musicará os clássicos do cinema mudo “Felix the Cat in Hollywood”, “Inside A Animation Studio Making A Cartoon” e “Viagem À Lua”, de Georges Méliès, com um piano de cauda.

Também hoje, às 19:00, o jovem guitarrista Gaspar Varela, bisneto da fadista Celeste Rodrigues, apresenta excertos do recém-editado “Gaspar”, após o que será exibida a obra “Celeste”, de Diogo Varela Silva, em homenagem à fadista e sua avó que morreu em agosto de 2018.

Às 21:30, será exibido “Meu Caro Amigo Chico”, documentário de Joana Barra Vaz que tenta responder a “Tanto Mar”, de Chico Buarque, através das canções e testemunhos de músicos como Sérgio Godinho, António Zambujo, Márcia, Manuel Cruz ou Nuno Prata.

No domingo, o festival exibirá os filmes vencedores. Às 15:00, numa sessão longa com direito a intervalo, são exibidos “Landslide”,”More Than a Barbershop” e “Myth” (Palco Internacional); e “Singing In The Rain (And I’m On Fire)”,”O Stradivarius Português” e “Na Margem: Uma História Do Rock” (Palco Nacional).

Às 18:30, serão mostrados os filmes vencedores da competição internacional (Palco Internacional) “Human” (Menção Honrosa das Canções Com Gente Dentro), “Let It Soul” (Sonetos Cantados), e “Peret, Yo Soy La Rumba” (Odisseias Musicais).

O certame encerra no domingo, às 21:30, com a mostra dos filmes vencedores da competição nacional (Palco Nacional) “Motorcycle Boy” (Vencedor — Canções Com Gente Dentro), “Barreiro Rock City” (Prémio da Crítica — Sonetos Cantados), “Uma Espécie de Punk” (Menção Honrosa — Odisseias Musicais) e “Ainda Tenho Um Sonho ou Dois – A História dos Pop Dell’Arte” (Prémio da Crítica — Odisseias Musicais).

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)