Papa Francisco

Papa critica rumores e pede para se “travar a língua”

461

Papa Francisco lamentou o hábito "feio" de criticar os outros e espalhar rumores e sublinhou que tal é um passo em direção "ao conflito". "É destruir com a língua", sentencia.

Papa Francisco aproveitou homilia para criticar a má-língua

ETTORE FERRARI/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O papa Francisco advertiu este domingo que as críticas e os rumores são “um passo em direção ao conflito” entre as pessoas e recomendou a “travarem a língua” antes de cair nesse hábito.

O papa falava durante uma homília na missa que celebrou durante a sua visita a uma paróquia na periferia norte de Roma.

“Todos nós temos falhas, mas estamos acostumados, pela força do egoísmo, em ver apenas os defeitos dos outros. Somos especialistas em criticar os defeitos dos outros, o que até nos parece agradável, nós gostamos”, lamentou o bispo de Roma, na sua homilia. Francisco afirmou que é um hábito “feio” que “vai mais além” porque, na sua opinião, “semeia discórdia, inimizades e maldade”.

“Se critica os outros, abre um conflito, é um passo em direção ao conflito, à destruição. É destruir com a língua, o mesmo que com uma bomba atómica; é destruir. A língua tem o poder de destruir como uma bomba atómica”, afirmou o pontífice.

O papa disse que estes conflitos chegam às casas, aos bairros, às escolas, aos locais de trabalho e às paróquias, e, assim, para o início da Quaresma, em seis de março, recomendou oração e, antes de criticar, “travar a língua”.

O bispo de Roma visitou hoje a paróquia de San Crispino da Viterbo, no município de Labaro, onde esteve com as crianças que se preparam para a primeira comunhão, com jovens que vão fazer a confirmação de fé, e os pais daqueles que vão ser batizados.

Francisco reuniu-se em seguida com um grupo de sem-abrigo assistido pela Caritas e pela Comunidade de Sant’Egidio, juntamente com alguns voluntários, e, finalmente, ouviu em confissão alguns dos fiéis.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Liberdades

O medo da liberdade /premium

Paulo Tunhas

O que esta nova esquerda busca não se reduz ao desenvolvimento de um Estado tutelar. É algo que visa a perfeita eliminação da sociedade como realidade distinta do Estado. Basta ouvir Catarina Martins.

25 de Abril

Princípio da União de Interesses

Vicente Ferreira da Silva

O nosso sistema de governo promove desigualdades entre os cidadãos, elimina a responsabilidade dos titulares de cargos públicos e limita as liberdades, os deveres e os direitos fundamentais.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)