Igreja Católica

Cardeal diz que acordo entre Vaticano e China vai ajudar a Igreja no país

O cardeal Fernando Filoni disse que acordo "vai ser muito bom para a Igreja no futuro e para a China também" e sublinhou que este acordo "não é político, não é diplomático é pastoral".

O acordo, a ser implementado em dois anos e que põe fim a mais de 70 anos de antagonismo entre Pequim e o Vaticano, concede a Pequim uma palavra na nomeação dos bispos

DAVID CHANG/EPA

O prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, cardeal Fernando Filoni, afirmou esta segunda-feira, em Macau, que o “acordo pastoral” entre o Vaticano e a China “vai ajudar muito a Igreja” católica no país.

Fernando Filoni presidiu à inauguração oficial das novas instalações da Universidade de São José, em Macau, que juntou mais de 500 pessoas no auditório para assistirem à missa.

Macau, tal como Hong Kong, são os únicos locais em toda a China onde a autoridade do papa é aceite.

À margem do evento, o cardeal sublinhou aos jornalistas que o acordo “vai ser muito bom para a Igreja no futuro e para a China também”.

“A China já está muito aberta”, disse, “no comércio, na vida política, na realidade está muito aberta”.

“Quando eu vou a África encontro chineses em toda a África”, frisou o cardeal, depois da cerimónia de bênção das instalações e de uma missa celebrada no auditório da universidade.

Em português, o prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos lembrou que este acordo “não é político, não é diplomático é pastoral”.

O acordo, a ser implementado em dois anos e que põe fim a mais de 70 anos de antagonismo entre Pequim e o Vaticano, concede a Pequim uma palavra na nomeação dos bispos.

China e Vaticano romperam os laços diplomáticos em 1951, depois de Pio XII excomungar os bispos designados pelo Governo chinês. Os católicos chineses dividiram-se então entre duas igrejas: a Associação Católica Patriótica Chinesa, aprovada por Pequim, e a clandestina, que continuou fiel ao Vaticano.

O Vaticano considera que é um direito seu nomear os bispos, visando preservar a sucessão apostólica que remonta aos apóstolos de Jesus Cristo. A China considera a exigência do Vaticano uma violação da soberania.

Devido à disputa, o regime chinês nomeou, ao longo das últimas décadas, vários bispos sem o consentimento do papa, alguns dos quais foram depois excomungados pelo Vaticano.

Os padres que se mantiveram fiéis ao Vaticano são frequentemente detidos ou perseguidos.

Francisco, e antes dele o papa Bento XVI, tentaram unir as duas igrejas, e anos de negociações culminaram num acordo, assinado em setembro do ano passado, que inclui o reconhecimento pelo Vaticano de sete bispos nomeados por Pequim, enquanto dois bispos da igreja clandestina terão que se afastar.

O texto provisório, que poderá ser revisto periodicamente, “é uma esperança para todos”, afirmou Fernando Filoni.

Em relação às possíveis dificuldades que possam surgir na prática deste acordo, o cardeal preferiu uma mensagem de confiança: “na vida há sempre dificuldades. Vamos estabelecer antes de tudo uma confiança recíproca e isso vai ser muito útil para o entendimento de todos”.

Já em relação ao facto dos alunos no interior da China não poderem estudar na Universidade católica de São José, o cardeal mostrou-se confiança que tal possa vir a aconteça no futuro. “Isso pertence ao futuro, mas espero que sim”, afirmou, acrescentando que “esta estrutura universitária pode ser aproveitada por todos”

“A cultura não pode ser limitada a poucas pessoas ou a poucos lugares, uma cultura que não é aberta não é uma cultura”, considerou.

Em Macau desde sábado, o cardeal celebrou uma eucaristia na Sé Episcopal, no domingo, e presidiu a um encontro de sacerdote naquele que é um dos principais centros católicos da Ásia.

Antes, Fernando Filoni esteve em Taiwan, ilha com perto de 300 mil católicos e onde a Igreja católica desenvolve um importante trabalho educativo, médico e de solidariedade, onde presidiu na sexta-feira ao 4.º Congresso Eucarístico de Taiwan, como enviado especial do papa.

Segundo a Vatican News, Fernando Filoni falou sobre a importância da obra missionária, “tão necessária nesta ilha de Taiwan, onde a Igreja é uma pequena realidade, apesar de tantos anos de evangelização e tantas obras sociais e educacionais apreciáveis”.

Em meados de dezembro, a líder de Taiwan, Tsai Ing-wen, convidou o papa a visitar a ilha.

Este é o terceiro convite que Taiwan envia a Francisco para que visite a ilha, com perto de 300 mil católicos e onde a Igreja católica desenvolve um importante trabalho educativo, médico e de solidariedade.

Embora o Vaticano seja aliado diplomático de Taiwan, não é provável que Francisco aceite o convite das autoridades da ilha, devido às divergências políticas entre Taipé e Pequim, e à aproximação entre o Estado católico à China, que resultou na assinatura de importantes acordos este ano.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Igreja Católica

A Europa e a Páscoa dos Cristãos no Mundo

Raquel Vaz-Pinto
357

Ao celebrar a Páscoa e a sua compaixão devíamos reflectir sobre os sacrifícios dos cristãos que vivem longe e fazer a pergunta difícil e dolorosa: conseguiríamos manter a Fé e de seguir o seu exemplo?

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)