Rádio Observador

Igreja Católica

Cardeal diz que acordo entre Vaticano e China vai ajudar a Igreja no país

O cardeal Fernando Filoni disse que acordo "vai ser muito bom para a Igreja no futuro e para a China também" e sublinhou que este acordo "não é político, não é diplomático é pastoral".

O acordo, a ser implementado em dois anos e que põe fim a mais de 70 anos de antagonismo entre Pequim e o Vaticano, concede a Pequim uma palavra na nomeação dos bispos

DAVID CHANG/EPA

O prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos, cardeal Fernando Filoni, afirmou esta segunda-feira, em Macau, que o “acordo pastoral” entre o Vaticano e a China “vai ajudar muito a Igreja” católica no país.

Fernando Filoni presidiu à inauguração oficial das novas instalações da Universidade de São José, em Macau, que juntou mais de 500 pessoas no auditório para assistirem à missa.

Macau, tal como Hong Kong, são os únicos locais em toda a China onde a autoridade do papa é aceite.

À margem do evento, o cardeal sublinhou aos jornalistas que o acordo “vai ser muito bom para a Igreja no futuro e para a China também”.

“A China já está muito aberta”, disse, “no comércio, na vida política, na realidade está muito aberta”.

“Quando eu vou a África encontro chineses em toda a África”, frisou o cardeal, depois da cerimónia de bênção das instalações e de uma missa celebrada no auditório da universidade.

Em português, o prefeito da Congregação para a Evangelização dos Povos lembrou que este acordo “não é político, não é diplomático é pastoral”.

O acordo, a ser implementado em dois anos e que põe fim a mais de 70 anos de antagonismo entre Pequim e o Vaticano, concede a Pequim uma palavra na nomeação dos bispos.

China e Vaticano romperam os laços diplomáticos em 1951, depois de Pio XII excomungar os bispos designados pelo Governo chinês. Os católicos chineses dividiram-se então entre duas igrejas: a Associação Católica Patriótica Chinesa, aprovada por Pequim, e a clandestina, que continuou fiel ao Vaticano.

O Vaticano considera que é um direito seu nomear os bispos, visando preservar a sucessão apostólica que remonta aos apóstolos de Jesus Cristo. A China considera a exigência do Vaticano uma violação da soberania.

Devido à disputa, o regime chinês nomeou, ao longo das últimas décadas, vários bispos sem o consentimento do papa, alguns dos quais foram depois excomungados pelo Vaticano.

Os padres que se mantiveram fiéis ao Vaticano são frequentemente detidos ou perseguidos.

Francisco, e antes dele o papa Bento XVI, tentaram unir as duas igrejas, e anos de negociações culminaram num acordo, assinado em setembro do ano passado, que inclui o reconhecimento pelo Vaticano de sete bispos nomeados por Pequim, enquanto dois bispos da igreja clandestina terão que se afastar.

O texto provisório, que poderá ser revisto periodicamente, “é uma esperança para todos”, afirmou Fernando Filoni.

Em relação às possíveis dificuldades que possam surgir na prática deste acordo, o cardeal preferiu uma mensagem de confiança: “na vida há sempre dificuldades. Vamos estabelecer antes de tudo uma confiança recíproca e isso vai ser muito útil para o entendimento de todos”.

Já em relação ao facto dos alunos no interior da China não poderem estudar na Universidade católica de São José, o cardeal mostrou-se confiança que tal possa vir a aconteça no futuro. “Isso pertence ao futuro, mas espero que sim”, afirmou, acrescentando que “esta estrutura universitária pode ser aproveitada por todos”

“A cultura não pode ser limitada a poucas pessoas ou a poucos lugares, uma cultura que não é aberta não é uma cultura”, considerou.

Em Macau desde sábado, o cardeal celebrou uma eucaristia na Sé Episcopal, no domingo, e presidiu a um encontro de sacerdote naquele que é um dos principais centros católicos da Ásia.

Antes, Fernando Filoni esteve em Taiwan, ilha com perto de 300 mil católicos e onde a Igreja católica desenvolve um importante trabalho educativo, médico e de solidariedade, onde presidiu na sexta-feira ao 4.º Congresso Eucarístico de Taiwan, como enviado especial do papa.

Segundo a Vatican News, Fernando Filoni falou sobre a importância da obra missionária, “tão necessária nesta ilha de Taiwan, onde a Igreja é uma pequena realidade, apesar de tantos anos de evangelização e tantas obras sociais e educacionais apreciáveis”.

Em meados de dezembro, a líder de Taiwan, Tsai Ing-wen, convidou o papa a visitar a ilha.

Este é o terceiro convite que Taiwan envia a Francisco para que visite a ilha, com perto de 300 mil católicos e onde a Igreja católica desenvolve um importante trabalho educativo, médico e de solidariedade.

Embora o Vaticano seja aliado diplomático de Taiwan, não é provável que Francisco aceite o convite das autoridades da ilha, devido às divergências políticas entre Taipé e Pequim, e à aproximação entre o Estado católico à China, que resultou na assinatura de importantes acordos este ano.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Jesus Cristo

Santos da casa também fazem milagres! /premium

P. Gonçalo Portocarrero de Almada
261

Todas as casas reais peninsulares descendem do profeta Maomé. Há uns séculos, este parentesco era muito indesejável mas ainda poderá ser de grande utilidade, se a Europa for ocupada pelo Islão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)