Foi o próprio Elon Musk quem acabou com as dúvidas acerca da data de apresentação do Model Y. O segundo SUV da Tesla, com base no Model 3, é um dos lançamentos mais aguardados do ano, mas ainda não se sabia quando iria ser revelado. Em Maio do ano passado, o CEO da marca californiana chegou a alvitrar o dia 15 de Março, mas entretanto a imprensa chinesa veio “marcar” para Abril a revelação do crossover de entrada na gama da Tesla. Afinal, tweetou Musk, vai mesmo ser este mês, mas um dia antes: a 14 de Março.

A estreia mundial do novo Y, um modelo que “vai ser especial” nas palavras de Elon Musk, ocorrerá dentro de 10 dias, mas o fundador da Tesla já começou a “abrir o jogo” quanto àquilo que se poderá esperar. A par das especificações, o preço continua a ser uma das incógnitas, mas o fundador da Tesla não se inibiu de dar uma ordem de grandeza. Segundo ele, o novo Model Y vai ser 10% mais caro que o Model 3. O que significa que, nos Estados Unidos, onde o Standard arranca nos 35.000 dólares, o Model Y deverá custar 38.500 dólares.

Finalmente chega o Model 3 por 35.000 dólares

O preço sobe na mesma proporção em que aumenta o espaço, mas a autonomia desce, à conta da dimensão e peso mais generosos, antecipa Elon, sem contudo especificar em que medida o alcance vai diminuir. Certo é que a autonomia do crossover americano, na sua versão mais acessível, equipada com bateria de 50 kWh, deverá ficar abaixo das 220 milhas de autonomia (354 km) homologadas pelo corresponde Model 3, segundo o ciclo EPA – o que corresponderá a cerca de 390 km em WLTP.

Model Y só com 4×4 e 4.400€ mais que Model 3?

Embora mais caro e com menor autonomia do que a berlina em que se baseia, o Model Y encerra um tremendo potencial de vendas, pois se o Model 3 superou a barreira das 450 mil unidades reservadas, a Tesla espera vender anualmente mais de 1 milhão de Model Y. A produção só se iniciará em 2020, repartindo-se entre os EUA e a China, onde o construtor norte-americano está a construir a sua primeira Gigafactory no estrangeiro.