Depois dos protestos em massa nas ruas para que não se recandidate, o presidente argelino Abdelaziz Bouteflika anunciou que vai mesmo ser candidato a um quinto mandato nas presidenciais de 18 de abril. Apesar da recandidatura, Bouteflika jurou “solenemente diante de Deus e do povo argelino” que, caso vença as eleições, irá mais tarde convocar “uma eleição presidencial antecipada”. Nessa futura eleição — que acredita que irá assegurar a “sucessão nas condições incontestáveis de serenidade, liberdade e transparência” — compromete-se a “não ser candidato”.

Numa mensagem transmitida pelo seu diretor de campanha, Abdelghani Zaalane, Bouteflika garante que ouviu e “compreendeu o grito no coração dos manifestantes e em particular dos milhares de jovens” que se manifestaram nas ruas pelo “futuro da pátria“. O presidente argelino, que está no no poder desde 1999, legitimou os protestos, dizendo que os jovens argelinos “exprimiram uma inquietude compreensível” e comprometeu-se a resolver as “exigências fundamentais de mudança do sistema.”

Centenas de estudantes manifestam-se na Argélia contra quinto mandato de Bouteflika

Entretanto, como destaca o El Mundo, já três candidatos anunciaram que retiram a candidatura presidencial em protesto contra a recandidatura de Buteflika: Luísa Hanun, líder trotskista do Partido dos Trabalhadores; Abdelrrazak Makri, presidente do principal partido islamista legalizado (o Movimento Social pela Paz) e Ali Benflis, antigo primeiro-ministro de Buteflika e o seu principal adversário nas presidenciais de 2004 e 2014.

A Reuters relatou protestos onde estiveram cerca de 70 mil estudantes, em Argel, capital da Argélia. No domingo, também a Reuters, avançava que a intenção de Buteflika era ficar mais um ano no poder, fazer algumas reformas e depois convocar novas eleições, onde já não seria recandidato.

De herói da revolução a contestado: quem é Bouteflika?

Abdelaziz Bouteflika é presidente da Argélia desde 27 de abril de 1999 e foi um dos líderes da Revolução Argelina, que culminou na libertação do país do domínio francês. Após a independência foi ministro dos Negócios Estrangeiros entre 1963 e 1979. Durante esse período chegou a presidir (em 1974 e 1975) à Assembleia-Geral das Nações Unidas.

Bouteflika é o quinto presidente da história argelina e aquele que está há mais tempo no poder, tendo passado em 2012 a longevidade no cargo de Houari Boumédiène. Foi durante o mandato de Bouteflika que terminou a guerra civil Argélia (em 2002).

Bouteflika está gravemente doente desde 2013 quando teve um AVC que lhe provocou problemas de mobilidade e outras limitações que o impedem de se expressar em público. Segundo o The Guardian, o presidente argelino, de 82 anos, encontra-se neste momento em Genebra, na Suíça, onde foi hospitalizado.