Rádio Observador

Land Rover

Jaguar Land Rover de mal a pior. Tata nega venda

101

O grupo britânico controlado pela Tata Motors está numa situação financeira de tal modo grave que os indianos quererão “desfazer-se” do problema. Bloomberg avança com intenção de venda, mas Tata nega.

A situação financeira da Jaguar Land Rover (JLR) tem vindo a agravar-se a ponto de o grupo britânico optar por cancelar a produção de modelos. Primeiro, conforme aqui noticiámos, a Land Rover viu-se obrigada a informar os clientes que encomendaram o Range Rover SV Coupé – de que apenas seriam fabricadas 999 unidades, na casa dos 400 mil euros cada – que, afinal, o rival do Rolls-Royce Cullinan não iria ser produzido. Duas semanas depois, novo cancelamento: também o Discovery SVX, apresentado em 2017 e cuja produção deveria ter arrancado já o ano passado, tem morte confirmada. Se o projecto avançasse, este seria o modelo que colocaria o Discovery num outro patamar em matéria de todo-o-terreno. Mas não só, dado que seria equipado com um motor a gasolina V8 sobrealimentado de 5,0 litros, a debitar uma potência máxima de 525 cv e 625 Nm, com os profissionais do Centro Técnico da Special Vehicle Operations do Reino Unido a alterarem também a suspensão, para enfrentar com maior à vontade os terrenos mais difíceis.

Confirmado que está que estes planos não vão sair da gaveta, a Bloomberg, com base em fontes internas da JLR, avança que a indiana Tata Motors estaria na disposição de resolver o problema, colocando em cima da mesa três hipóteses: vender todos os activos a outro construtor, alienar parte das acções ou encontrar um parceiro com quem partilhar custos. Contudo, o grupo que controla a JLR (e que está já a ser penalizado pelos maus resultados) desmente qualquer intenção de venda, assegurando que “são falsos os rumores de que a Tata Motors está a tentar desfazer-se da sua participação na JLR”.

Certo é que, uma década depois de ter comprado as duas marcas à Ford, por 2,3 mil milhões de dólares, a Tata vê as suas ‘jóias’ converterem-se num pesado fardo. Em 2018, a JLR perdeu dinheiro em três trimestres, sendo que no último os prejuízos chegaram aos 3,9 mil milhões de euros. Um recorde que manchou a história da Tata.

Os próximos tempos não se auguram mais auspiciosos. A par da queda das vendas no mercado chinês, a JLR tem de resolver problemas de qualidade. Enquanto isso, no Reino Unido, onde emprega 4.500 pessoas, a sua operação está a ser duramente penalizada pelo Brexit. Para fazer face a estas dificuldades, está em marcha o Project Charge, plano que prevê cortes nos custos e o lançamento de versões híbridas e eléctricas em todos os modelos da Jaguar e da Land Rover. Resta saber se será suficiente.

Comparador de carros novos

Compare até quatro, de entre todos os carros disponíveis no mercado, lado a lado.

Comparador de carros novosExperimentar agora

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: scarvalho@observador.pt
Combustível

Os motoristas e o mercado

Jose Pedro Anacoreta Correira

Quando o Governo não consegue instrumentalizar politicamente os sindicatos, passa ao ataque. A luta e defesa dos trabalhadores é só para trabalhadores do Estado e filiados na CGTP.

PSD

Rui Rio precisa do eleitorado de direita /premium

João Marques de Almeida

O eleitorado de direita deve obrigar Rui Rio a comprometer-se que não ajudará o futuro governo socialista a avançar com a regionalização e a enfraquecer o Ministério Público. No mínimo, isto.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)