Dia da Mulher

Mulheres Socialistas juntam-se a manifestações do Dia Internacional da Mulher

As Mulheres Socialistas apelaram à mobilização contra a violência e a desigualdade e saúdam a manifestação convocada pela Rede 8 de Março cuja base é o Manifesto Greve Feminista Internacional.

O grupo do Partido Socialista defende, num comunicado, que "se estabeleça um compromisso de todos e de todas com uma sociedade livre de discriminações e de violências de género"

MARIO CRUZ/LUSA

As Mulheres Socialistas anunciaram esta segunda-feira que se vão juntar às manifestações convocadas para 13 cidades portuguesas em 8 de março, data que assinala o Dia Internacional da Mulher, e apelaram à mobilização contra a violência e a desigualdade.

O grupo do Partido Socialista defende, num comunicado, que “se estabeleça um compromisso de todos e de todas com uma sociedade livre de discriminações e de violências de género” e saúda a manifestação convocada pela Rede 8 de Março que tem como base o Manifesto Greve Feminista Internacional.

O manifesto apela às “mulheres em todo o mundo” que se levantem em defesa dos seus direitos e se mobilizem contra a violência, a desigualdade e os preconceitos, convocando para sexta-feira “greve ao trabalho assalariado, ao trabalho doméstico e à prestação de cuidados, ao consumo de bens e serviços e greve estudantil”.

“E porque, como diz o manifesto, ‘juntas somos mais fortes’, em 8 de março celebramos a união entre as mulheres e mobilizamo-nos em sua defesa”, escrevem as Mulheres Socialistas (MS-ID) no comunicado, pedindo “presença massiva” nas manifestações convocadas para Albufeira, Aveiro, Braga, Coimbra, Lisboa, Porto, Ponta Delgada (São Miguel), Viseu, Amarante, Vila Real, Évora, Fundão e Covilhã.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A protecção da família em Portugal

Luiz Cabral de Moncada

A família, enquanto célula principal da sociedade e berço da moral, como bem se sabe na Calábria, está mais garantida do que nunca. Nunca será esquecida pelos partidos quando no poder político.

Mar

Bruno Bobone: «do medo ao sucesso»

Gonçalo Magalhães Collaço

Não, Portugal não é uma «nação viciada no medo» - mas devia realmente ter «medo», muito «medo», do terrível condicionamento mental a que se encontra sujeito e que tudo vai devastadoramente degradando.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)