Um conjunto de reclusos afirma ter sido agredido na sequência de uma busca realizada ao Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira, onde foram apreendidos 18 telemóveis, 6 seringas, uma arma branca de fabrico artesanal e um recipiente com fruta fermentada. As queixas foram recebidas pela Obra Vicentina de Auxílio aos Reclusos (OVAR), mas a Direcção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais nega as agressões, noticia esta segunda-feira o jornal Público. 

A busca foi realizada na semana passada, entre segunda e terça-feira, e, segundo aquilo que cinco reclusos contaram ao coordenador da OVAR, que visitou a cadeia de Paços de Ferreira este sábado, “os guardas entraram nas celas, alguns com cabeças tapadas, algemaram os reclusos, e coagiram-nos a dar informação. Como os presos não diziam nada, agrediram-nos. Houve uma atuação desproporcionada e injustificada”, explicou Manuel Hipólito dos Santos ao jornal.

Sobre as alegadas agressões o porta-voz da Direcção-Geral de Reinserção e Serviços Prisionais, Semedo Fernandes, confirmou ao jornal que foram transportados para o hospital três reclusos, um dia depois da busca, mas que estes regressaram ao estabelecimento prisional com o “registo de que não havia ferimentos, nem hematomas ou escoriações”, contou o porta-voz ao Público. Semedo Fernandes sublinhou ainda que “a busca foi acompanhada pelos serviços de segurança e usada uma metodologia absolutamente escrutinável, em que é possível identificar quem fez a busca e cada passo” .

No comunicado enviado às redações sobre esta busca, estava referido que a “ação decorreu sem que se tivesse verificado qualquer tipo de incidentes e os reclusos em cuja posse foram apanhados os objetos e bens ilícitos serão objeto do procedimento disciplinar e/ou criminal previstos na Lei”.

Esta cadeia tornou-se recentemente no alvo das atenções quando, há cerca de três semanas, um grupo de reclusos organizou uma festa de anos a um traficante de droga, tendo conseguido publicar vídeos em direto da festa no Facebook. Na sequência, foi realizada uma busca na Ala A da cadeia de Paços de Ferreira, que levou à apreensão de 79 telemóveis, tabaco, droga, um passaporte e um alambique.

Estes incidentes já levaram ao pedido de demissão da diretora da prisão de Paços de Ferreira, Maria Fernanda Monteiro Barbosa, que foi aceite pelo Governo.