Rádio Observador

Brexit

Banco de Inglaterra lança empréstimos em euros para atenuar riscos do ‘Brexit’

O Banco de Inglaterra vai fornecer empréstimos em euros aos bancos britânicos semanalmente, para atenuar os riscos decorrentes do Brexit.

O Banco de Inglaterra é liderado por Mark Carney

WILL OLIVER/EPA

O Banco de Inglaterra vai fornecer empréstimos em euros aos bancos britânicos semanalmente, uma medida “prudente e cautelosa” destinada a atenuar os riscos decorrentes do Brexit, e vai obter euros do Banco Central Europeu em troca de libras esterlinas.

“O Banco de Inglaterra anuncia hoje um novo mecanismo de liquidez em euros, no âmbito do qual vai oferecer empréstimos em euros semanalmente”, informou hoje o banco central britânico em comunicado.

O Banco de Inglaterra alerta que o sistema financeiro europeu poderá ser posto à prova em caso de saída do Reino Unido da União Europeia (‘Brexit’) sem acordo.

“Apesar de (os riscos financeiros de um ‘Brexit’ disruptivo) afetarem primeiramente as famílias e empresas europeias, também é de esperar que tenham repercussões no Reino Unido de uma forma que não pode ser totalmente antecipada nem compensada”, referiu hoje a instituição na ata da sua última reunião do Comité de Política Financeira, citada pela AFP.

As instituições financeiras britânicas “ainda não estão em condições de oferecer todos os seus serviços financeiros aos clientes europeus”, o que poderia causar problemas financeiros “na ausência de novas ações por parte dos responsáveis da UE”, alerta também o Banco de Inglaterra, evocando a hipótese de um ‘Brexit’ abrupto sem transição a 29 de março.

A primeira operação semanal de empréstimos em euros aos bancos britânicos ocorrerá a 13 de março, e decorrerá em moldes semelhantes às operações de empréstimos em dólares que o banco central britânico já fornece às instituições britânicos.

“O Banco de Inglaterra continuará a monitorizar cuidadosamente as condições do mercado e a manter as suas operações, incluindo a sua frequência, sob revisão”, assegura a instituição.

Num outro comunicado, também divulgado hoje, o Banco Central Europeu (BCE) indica que vai fornecer euros ao Banco de Inglaterra em troca de libras esterlinas.

“O BCE e o Banco de Inglaterra decidiram ativar uma linha de ‘swap’ (troca) permanente através da qual o Banco de Inglaterra vai oferecer empréstimos em euros aos bancos do Reino Unido semanalmente”, informa o BCE em comunicado, acrescentando que “vai receber libras esterlinas do Banco de Inglaterra em troca de euros”.

A operação “marca uma medida prudente e cautelosa por parte do Banco de Inglaterra para fornecer flexibilidade adicional na sua provisão de liquidez [ao sistema financeiro britânico], apoiando o funcionamento dos mercados que servem famílias e empresas”, adianta a instituição liderada por Mário Draghi.

O BCE adianta que a linha de ‘swap’ com o Banco de Inglaterra faz parte de uma rede de acordos permanentes com outros quatro bancos centrais, incluindo o Banco do Canadá, o Banco do Japão, a Reserva Federal norte-americana e o Banco Nacional da Suíça.

Segundo o regulador europeu, estas linhas de ‘swap’ permanentes foram acordadas em outubro de 2013 e substituíram um conjunto de acordos temporários, contribuindo para “a estabilidade financeira global”.

“Como parte do mesmo acordo, o Eurossistema vai estar preparado para emprestar libras esterlinas aos bancos da zona euro, caso seja necessário”, acrescenta o BCE.

O anúncio acontece 24 dias antes da data do ‘Brexit’, numa altura em que o governo britânico continua a tentar negociar com Bruxelas alterações ao acordo que consigam receber o apoio do parlamento, depois de o documento ter sido inicialmente chumbado em janeiro.

A primeira-ministra prometeu submeter um acordo reformulado para votação na Câmara dos Comuns até 12 de março, à qual se poderão seguir, se o texto for novamente reprovado, votos para sair da UE sem um acordo ou para adiar o ‘Brexit’.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)