Quase 40% dos adultos portugueses entre os 25 e os 74 anos sofre de duas ou mais doenças crónicas. Ainda assim, o problema é mais notório nas mulheres e nas pessoas com menos habilitações literárias, noticia esta quarta-feira a rádio TSF.

Segundo o estudo do Departamento de Epidemiologia do Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, 38% dos portugueses têm pelo menos duas doenças crónicas, sendo que a maioria (28%) tem três ou mais doenças. Estes doentes são chamados “doentes com multimorbilidade” e “têm necessidades de saúde acrescidas, o que representa um ónus elevado para os cuidados de saúde”, refere o estudo citado pela TSF.

A doença mais comum é a hipertensão (25,1% nos homens e 26,1% nas mulheres), seguida da hipercolesterolemia (23,7% e 25,7%). Em terceiro lugar está a artose nas mulheres (26,6%) e as alergias nos homens (11,4%).

Outra das conclusões do estudo é que quem tem menos escolaridade tem mais tendência a ter doenças crónicas. Segundo Guilherme Quinaz Romana, um dos investigadores do estudo, em declarações à TSF, “existe alguma evidência que nos mostra que pessoas com maiores habilitações literárias, têm maior literacia em saúde e, como tal, têm usualmente comportamentos mais saudáveis, portanto uma menos prevalência de doenças crónicas”.

O estudo sublinha ainda que a prevalência damultimorbilidade– pelo menos duas doenças crónicas – é maior nas mulheres, com os números a atingirem os 43,4% nas mulheres e  32,7% nos homens. De acordo com os especialistas, a tendência é que estes números aumentem, dado o envelhecimento previsível da população.