Rádio Observador

Carnaval

Bolsonaro publica vídeo obsceno no Twitter e critica excessos no Carnaval

317

O Presidente do Brasil publicou um vídeo com um episódio dos festejos do Carnaval e foi criticado pelo teor das imagens. "É isto que tem virado muitos blocos de rua no carnaval brasileiro", referiu.

O Presidente brasileiro criticou os excessos cometidos no Carnaval

JOEDSON ALVES/EPA

Autores
  • Agência Lusa

Jair Bolsonaro publicou esta quarta-feira um vídeo com teor obsceno gravado durante os festejos do Carnaval no Brasil, como forma de criticar os excessos que foram cometidos na maior festa brasileira. “Não me sinto confortável em mostrar, mas temos que expor a verdade para a população ter conhecimento e sempre tomar suas prioridades. É isto que tem virado muitos blocos de rua no carnaval brasileiro. Comentem e tirem suas conclusões”, escreveu o Presidente brasileiro no Twitter.

No vídeo publicado pelo líder brasileiro, é possível ver três rapazes em cima de um autocarro a dançar, quando um deles coloca o dedo no próprio ânus e, de seguida, outro jovem urina na cabeça do outro. Inicialmente, o vídeo podia ser visualizado automaticamente por todos os que têm acesso à conta de Bolsonaro, o que gerou de imediato várias críticas, mesmo de apoiantes, pelo teor das imagens e pelo facto de toda a gente conseguir visualizá-lo. “Bolsonaro, a minha neta de seis anos tomou conhecimento dessa cena no seu twitter. Ela e outros milhões de crianças cujos pais o seguem. Quero ver como o Presidente da República vai explicar o que elas viram”, escreveu um utilizador do Twitter em resposta à publicação.

Algumas horas depois, o vídeo passou a ter visualização restrita, ou seja, primeiro o Twitter avisa o utilizador que a publicação pode ter material sensível e só depois, caso o mesmo utilizador carregue em “ver”, é que a rede social permite visualizar o vídeo. Depois da publicação e de causar algumas reações negativas, Jair Bolsonaro questionou ainda: “O que é um golden shower?”, uma prática sexual que se reflete no mesmo vídeo.

As imagens, interpretadas como uma crítica à festa favorita dos brasileiros, foram visadas por vários utilizadores, que passaram a utilizar a hashtag “Impeachment Bolsonaro” (“Destituição de Bolsonaro”) que está a liderar os tópicos mais comentados do Twitter na manhã de hoje. Os utilizadores da rede social lançaram uma campanha online a pedir um julgamento político contra Bolsonaro, já que, segundo a lei brasileira, “proceder de maneira incompatível com a dignidade, honra e decoro” está entre os crimes contra a probidade na administração pública e poderia levar à “perda do cargo de Presidente”.

Bolsonaro, alvo de críticas satíricas no Carnaval, provocou uma intensa controvérsia no Brasil por publicar este vídeo, de caráter obsceno e não adequado para todos os públicos. “Muitos desfiles de rua do Carnaval brasileiro tornaram-se o que você vê”, continuou o Presidente brasileiro na legenda do vídeo.

O autor do vídeo não é conhecido, mas informações do jornal Folha de S.Paulo indicam que as imagens terão sido recolhidas num bloco de rua da cidade de São Paulo, na segunda-feira.

Bolsonaro declarou-se um fervoroso defensor da família tradicional brasileira durante a sua campanha eleitoral e tem forte relações, conhecidas publicamente, com as igrejas evangélicas. Desde que venceu as eleições presidenciais, o Presidente brasileiro recorre às redes sociais para manter a relação com os eleitores, através de publicações que exaltam o papel da família tradicional na sociedade e com críticas a movimentos sociais que lutam a favor da liberdade sexual e contra o racismo.

Diversos utilizadores das redes sociais também comentaram a publicação e questionaram a posição do chefe de Estado em divulgar imagens pornográficas, embora houvesse quem defendesse a mensagem.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)