Parlamento Europeu

CDU tem três mulheres no topo da lista de candidatos às europeias

Nos primeiros cinco nomes dos 21 candidatos da CDU ao Parlamento Europeu há três mulheres: Sandra Pereira, Mariana Silva e Diana Ferreira.

A deputada comunista Diana Ferreira integra o quinto lugar da lista de candidatos da CDU ao Parlamento Europeu

MÁRIO CRUZ/LUSA

Há três mulheres no topo da lista de candidatos  da CDU ao Parlamento Europeu. Segundo a Antena 1, uma dirigente associativa que nunca foi deputada, uma candidata do Partido Ecologista Os Verdes e uma deputada comunista são as três mulheres que integram os primeiros cinco da lista de 21.

Depois de João Ferreira, o cabeça de lista, Sandra Pereira é quem ocupa o segundo lugar. Aos 42 anos, é linguista de profissão e preside à Associação dos Bolseiros de Investigação Científica. Nunca foi deputada ou manteve cargos políticos no PCP mas João Ferreira disse à Antena 1 que a sua “atividade bastante notória” é currículo suficiente para o cargo.

Logo a seguir ao atual deputado europeu, João Pimenta Lopes, surge o nome de mais uma mulher nesta lista de cinco. Trata-se de Mariana Silva, a primeira candidata do Partido Ecologista Os Verdes (PEV) nas listas da CDU. Tem 36 anos, nasceu em Guimarães, é professora e membro do conselho nacional e da comissão executiva do PEV.

Segue-se no quinto lugar outra mulher, Diana Ferreira, que já tem assento no parlamento português no lugar dos comunistas. Os restantes 16 candidatos de uma lista de 21 ainda não são conhecidos.

João Ferreira diz que todos estes candidatos conhecem a realidade portuguesa e que não se vão limitar a ser uma “caixa de ressonância de quem manda na União Europeia”. A apresentação da lista com todos os candidatos será feita a 15 de Março, no Hotel Corinthia, em Lisboa.

(Artigo atualizado às 13h40 com fotos oficiais e data da apresentação da lista total)

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: ssimoes@observador.pt
Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)