Mais de 500 pessoas foram detidas pela Polícia de Segurança Pública (PSP) durante a operação “Carnaval em Segurança 2019”, que terminou na terça-feira e levou à apreensão de mais de 2.800 artigos pirotécnicos

Segundo o balanço final da operação, foram detidas pela PSP 501 pessoas, 165 das quais por condução sob excesso de álcool, 94 por falta de carta de condução, 80 por tráfico de droga e 78 para cumprimento de mandados de detenção.

Em comunicado, a PSP indica ainda que durante a operação, que decorreu entre as 7h do dia 26 de fevereiro e as 24h de terça-feira, deteve 19 pessoas por furto, oito por roubo, 13 por desobediência e quatro por agressões a polícias.

A operação “Carnaval em Segurança 2019” teve como objetivos reduzir comportamentos de risco, reforçar a segurança rodoviária e prevenir e reprimir a comercialização ilícita de artigos pirotécnicos.

De acordo com o comunicado da PSP, foram apreendidas 16 armas de fogo, oito armas brancas, 2.841 artigos pirotécnicos e 594 munições de diversos calibres, além de 2.336 doses de diversos tipos de droga. A PSP identificou 829 pessoas por diversos motivos, das quais 93 por consumo de droga.

Nos oito dias da operação foram realizadas 699 operações de fiscalização rodoviária, fiscalizados 51 estabelecimentos no contexto da atividade de segurança privada e foram realizadas outras 234 ações de fiscalização, na sua maioria no âmbito da prevenção da comercialização de artigos pirotécnicos e armas/explosivos.

No âmbito da segurança rodoviária foram fiscalizadas 27.132 viaturas e registadas e autuadas 6.092 infrações ao código da estrada. Foram ainda controladas por excesso de velocidade 881 viaturas, das quais resultaram 169 contraordenações leves, 661 graves e 61 muito graves.

Foram igualmente testados à taxa de alcoolemia no sangue 6.564 condutores, tendo sido autuados 133 por acusarem taxa superior ao mínimo legal.

Durante os oito dias da operação “Carnaval em Segurança 2019” a PSP empenhou 7.104 polícias, 1.876 viaturas e 1.689 outros equipamentos/aparelhos.

Cinco pessoas morreram nas estradas durante a “Operação Carnaval 2019” da GNR

Entre os dias 1 e 5 de março a GNR registou, na sua área de intervenção, 902 acidentes, com 27 feridos graves e 320 feridos ligeiros, segundo os dados provisórios disponíveis no site da GNR.

Durante os cinco dias da operação, a GNR intensificou o patrulhamento e a fiscalização rodoviária em todo o continente, sobretudo nas vias que conduziam aos locais onde tradicionalmente ocorrem as festividades do Carnaval, com o objetivo de combater a sinistralidade rodoviária, regular o trânsito e garantir o apoio a todos os utentes das vias.

No início da operação, a GNR explicou que o período das festividades associadas ao Carnaval é propício a um maior consumo de bebidas alcoólicas e/ou substâncias psicotrópicas, particularmente nos locais de diversão noturna, envolvendo, por vezes, a utilização de veículos para regresso às residências.

Durante a operação, a GNR, através da Unidade Nacional de Trânsito e dos Comandos Territoriais, direcionou as ações de fiscalização para a deteção de condução sob a influência do álcool e de substâncias psicotrópicas ou sem carta de condução, para as manobras perigosas durante a condução, especialmente as de ultrapassagem, mudança de direção e cedência de passagem, e para a não utilização do cinto de segurança e/ou sistemas de retenção e excesso de lotação.

A GNR pretendia ainda fiscalizar anomalias nos sistemas de iluminação e sinalização, a utilização incorreta do telemóvel durante a condução, falta de inspeção periódica e falta de seguro de responsabilidade civil.

Em 2018, durante o período da “Operação Carnaval” da GNR, sete pessoas morreram e 13 ficaram feridas com gravidade e 292 tiveram ferimentos ligeiros.