A Jeep revelou em Genebra as variantes híbridas plug-in da dupla de sucesso da marca americana. Renegade e Compass passam a contar com um conjunto motopropulsor híbrido que combina o já conhecido Firefly 1.3 Turbo com um motor eléctrico alimentado por uma bateria de iões de lítio, cuja capacidade o fabricante não especifica.

Com o motor a combustão a accionar as rodas da frente, os  SUV americanos deixam de transmitir a tracção ao eixo traseiro através de um veio, ficando o motor eléctrico a assumir essa função. Ou seja, em vez do sistema mecânico, os Renegade e Compass PHEV usufruem de tracção integral electrificada, que a marca denomina eAWD, sublinhando que esta solução permite separar os dois eixos e controlar o binário de forma independente e de um modo mais eficaz.

A acção combinada do motor de combustão interna e do motor elétrico permite ao Jeep Renegade Plug-In Hybrid debitar 190 cv, enquanto a variante PHEV do Compass oferece 240 cv. Qualquer um dos dois vê a emissão de CO2 baixar para 50 g/km, podendo percorrer até 50 km em modo exclusivamente eléctrico. Rodando nesse modo, os SUV de entrada na gama da Jeep podem alcançar até 130 km/h de velocidade máxima, mas está claro que, a esse ritmo, a carga da bateria acaba mais depressa. Segundo a marca, de um arranque parado até aos 100 km/h, este Renegade consome 7 segundos, devendo o Compass alinhar pela mesma bitola, se bem que os respectivos valores ainda aguardem homologação.

11 fotos

Por fora, a dupla americana não faz alarde da hibridização. Isto é, pouco difere das restantes versões não electrificadas, salvo em detalhes incontornáveis como o bocal para a tomada de carga, como pode ver nas respectivas galerias. Por dentro também não há grandes alterações, excepto no painel de instrumentos e no ecrã de infoentretenimento, que são específicos destas variantes para poder informar o condutor do nível de carga, bem como fornecer-lhe outros dados relativos ao conjunto híbrido.