Rádio Observador

Estados Unidos da América

Trump prorroga decreto que considera Venezuela uma ameaça à segurança dos EUA

Os EUA consideram que situação na Venezuela não melhorou e representa "uma ameaça extraordinária para a segurança nacional". Caracas já reagiu e acusou Trump de ratificar um "erro histórico".

Em maio, Donald Trump aprovou incluir no decreto "a má gestão económica endémica e a corrupção" no regime venezuelano

CHRIS KLEPONIS / POOL/EPA

O Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, prorrogou na terça-feira, por mais um ano, um decreto do seu antecessor, Barack Obama, que declara a Venezuela uma ameaça para a segurança interna norte-americana.

As circunstâncias descritas (…) em relação à Venezuela não melhoraram e continuam a representar uma ameaça extraordinária para a segurança nacional e a política externa dos Estados Unidos. Portanto (…), prolongo, por um ano, a emergência nacional, declarada na Ordem Executiva 13692″, disse Trump, em comunicado divulgado pela Casa Branca.

Caracas já reagiu à decisão e acusou Donald Trump de ratificar um “erro histórico”.

A administração de Donald Trump ratifica e renova um erro histórico cometido por Barack Obama. A Venezuela jamais foi uma ameaça para algum povo do mundo. A Venezuela é esperança, somos terra soberana de trabalho e de paz”, escreveu o ministro dos Negócios Estrangeiros venezuelano, Jorge Arreaza, na rede social Twitter.

Jorge Arreaza defendeu que o decreto “é apenas um pretexto para justificar uma agressão sem precedentes, que inclui a ameaça do uso da força, com o objetivo de forçar uma mudança de regime para controlar as riquezas do país”.

O comunicado divulgado pela Casa Branca recorda que, a 8 de março de 2015, o então Presidente Barack Obama declarou “emergência nacional face à situação na Venezuela, com base na erosão das garantias de Direitos Humanos, na perseguição de opositores políticos, na redução da liberdade de imprensa, uso da violência, violações dos direitos humanos, abusos na resposta a protestos contra o Governo, em detenções arbitrárias de manifestantes antigovernamentais, assim como a presença exacerbante de significativa corrupção no Governo”.

Mais tarde, em 24 de agosto de 2017, foram emitidas medidas adicionais para lidar com “o aprofundamento da crise humanitária na Venezuela, o estabelecimento de uma Assembleia Constituinte (composta unicamente por simpatizantes do regime) ilegítima, que usurpou o poder da Assembleia Nacional (parlamento) democraticamente eleita”.

Já no ano passado, a 19 de março, uma outra ordem abordava “as ações do regime de Nicolás Maduro para tentar contornar as sanções dos EUA, “emitindo uma moeda digital em processo (Petro), que a Assembleia Nacional da Venezuela, eleita democraticamente, denunciou como ilegal”.

Em maio, Donald Trump aprovou incluir no decreto “a má gestão económica endémica e a corrupção” no regime venezuelano, a tentativa de minar a ordem democrática com eleições antecipadas que “não eram livres nem justas” e, ainda, “o agravamento da crise humanitária e de saúde pública” no país.

Meio ano depois, em novembro, foram analisadas as ações de pessoas associadas ao Governo venezuelano, “para saquear a riqueza da Venezuela” e para “catalisar uma crise migratória regional, negligenciando as necessidades básicas do povo” venezuelano.

Por último, já este ano, em 25 de janeiro, medidas adicionais para tratar das ações de funcionários de Caracas, para reduzir a liberdade imprensa, assediar opositores políticos, “minar o presidente interino (Juan Guaidó)” e impedir que conjuntamente com o parlamento “exercessem autoridade legítima na Venezuela”.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)